Política

Oposição permanece sem consenso

O objetivo maior é garantir espaços na Casa e a eleição de um presidente que conduza o Legislativo de forma democrática, mas ainda não há um nome que uniformize o pensamento das legendas

Hoje, PCdoB, sob presidência de Luciana, se reunirá para decidir em quem vai votarHoje, PCdoB, sob presidência de Luciana, se reunirá para decidir em quem vai votar - Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

 

Após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), a oposição se articula para tentar manter a unidade na Câmara Federal e terá um desafio estratégico pela frente: definir uma posição na disputa pela presidência da Casa. Enquanto a candidatura do único nome do bloco antagonista, André Figueredo (PDT), não deslancha, PT, PCdoB e PDT seguem fragmentados e buscam uma posição que fortaleça as siglas. O objetivo maior é garantir espaços na Casa e a eleição de um presidente que conduza o Legislativo de forma democrática, mas ainda não há um nome que uniformize o pensamento das legendas.

Hoje, petistas se reúnem, em Brasília, e os comunistas, em São Paulo, para definir posição. A direção do PDT também se reúne hoje e a expectativa é se manterá a postulação de Figueredo. Os petistas tendiam a apoiar Rodrigo Maia, mas Jovair Arantes também passou a ser considerado por assumir compromissos de manter proporcionalidade.

"O que o partido vai defender é o critério da proporcionalidade nos espaços da Casa. Maia defende isso e Jovair também. Vamos amadurecer, mas não é o momento de construir candidatura própria", avaliou Paulo Teixeira (PT-SP). Na semana passada, o líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (SP), participou do lançamento da candidatura de Jovair e defendeu que "a bancada do PT quer participar efetivamente da Mesa da Câmara na proporcionalidade". Nos bastidores, petistas admitem dificuldades para explicar em suas bases sociais um voto a Maia ou Jovair.

A presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, admitiu que a oposição vem enfrentando dificuldades para construir uma alternativa, mas que o mais importante é evitar a volta de forças conservadoras para o comando da Casa. "O principal é afirmar o papel do legislativo e evitar o pior resultado que é o centrão ganhar. Não podemos permitir que a pauta conservadora volte e não podemos nos isolar", avaliou.

PSB
Em reunião, ontem, a bancada do PSB decidiu não lançar candidatura própria para a Presidência da Câmara. A tendência é que a sigla apoie novamente Rodrigo Maia, mas a legenda ainda não fechou com nenhum nome.

 

Veja também

Senado aprova MP que encerra incentivos para indústria petroquímica
Congresso Nacional

Senado aprova MP que encerra incentivos para indústria petroquímica

Bolsonaro participará de Cúpula das Américas e terá reunião com Biden
Política

Bolsonaro participará de Cúpula das Américas e terá reunião com Biden