ELEIÇÕES

Paes e PL estão de olho no PP mesmo com pré-candidatura do partido à prefeitura do Rio

Pré-candidatura de Queiroz foi selada em um café da manhã

Eduardo PaesEduardo Paes - Foto: Tânia Rêgo/ Agencia Brasil

Cobiçado pelas duas principais candidaturas à Prefeitura do Rio de Janeiro, o Progressistas (PP), decidiu, a princípio, lançar candidato próprio ao Executivo carioca nas eleições municipais deste ano. Enquanto o atual prefeito Eduardo Paes (PSD) e o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ) ainda disputam nos bastidores o apoio do cacique da legenda Ciro Nogueira (PP-PI), o deputado federal Marcelo Queiroz (PP-RJ), nome escolhido para o pleito, trabalha para consolidar o voo solo do PP.

A pré-candidatura de Queiroz foi selada em um café da manhã no fim de fevereiro entre Queiroz, Ciro Nogueira e o presidente estadual do PP, deputado federal Dr. Luizinho (PP-RJ).

"Café da manhã com nosso presidente Ciro Nogueira e nosso pré-candidato a prefeitura da cidade do Rio de Janeiro Marcelo Queiroz, além de grande colega, deputado federal, que tem todas as qualidades e capacidade técnica de fazer uma grande gestão", escreveu Luizinho no Instagram após o encontro.

A disputa pela prefeitura do Rio neste ano vai ser marcada pela nacionalização do debate eleitoral. De um lado, Ramagem, ex-diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e pré-candidato apoiado pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), busca se desvencilhar da imagem de investigado no esquema de espionagem ilegal apontado pela Polícia Federal (PF) e aposta no eleitorado bolsonarista. Do outro, Paes fortalece a aliança com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao se associar ao petista em anúncios de investimentos federais na cidade e em inaugurações de obras.

Queiroz quer seguir um caminho alternativo, com foco na discussão sobre temas municipais. De acordo com o parlamentar, o entendimento dentro da legenda é de que há espaço para uma candidatura que discuta as questões da cidade.

"O PP é um partido grande. Sou do partido há quase 20 anos e sempre defendi um protagonismo maior. Fui o deputado mais votado da capital e entendemos que temos chance de buscar uma vaga no segundo turno das eleições. Acreditamos numa estratégia mais municipalista, diferentemente das candidatura expostas, com foco ideológico. A ideia da minha candidatura é trazer uma discussão para o dia a dia do cidadão", afirmou.

Pré-candidatos de olho no PP
Apesar da sinalização de Ciro Nogueira para uma candidatura própria do partido na capital fluminense, Paes e Ramagem não descartam uma composição com o PP. Aliados dos pré-candidatos dizem que as tratativas sobre as alianças devem se estender até o limite de apresentação das candidaturas. No PL, o entendimento é que Bolsonaro não deve abrir mão de ter um palanque em sua base eleitoral, mas não descarta discutir o posto de vice da chapa em uma eventual aliança.

Já o atual prefeito, para pavimentar seu caminho rumo à reeleição, quando deverá enfrentar um candidato da direita bolsonarista, aposta, desde a campanha presidencial de 2022, no apoio do presidente. A relação de Paes com Lula voltou a se fortalecer no último pleito federal. O prefeito embarcou na campanha petista e intensificou as críticas a Bolsonaro, que tentava a reeleição pelo PL.

O adversário de Paes mais bem colocado em pesquisas internas do PL e do PT, Ramagem emula o comportamento do ex-presidente Jair Bolsonaro nas redes sociais: ataca o PT e o presidente Lula, divulga feitos da gestão bolsonarista e compartilha conteúdo de teor ideológico, sem foco nos problemas que afetam o eleitorado municipal.
 

Veja também

Brasil precisa de "mais testosterona", diz Nikolas Ferreira em ato pró-Bolsonaro no Rio
ato no rj

Brasil precisa de "mais testosterona", diz Nikolas Ferreira em ato pró-Bolsonaro no Rio

Em ato, deputado discursa em inglês para defender liberdade "porque Elon Musk está olhando"
Ato no RJ

Em ato, deputado discursa em inglês para defender liberdade "porque Elon Musk está olhando"

Newsletter