atos antidemocráticos

Movimentos antidemocráticos: interdições nas estradas caem de 86 para 73 em três horas

De acordo com a corporação, manifestações se concentram em Mato Grosso, Santa Catarina, Pará e Roraima

PRF atua em bloqueios antidemocráticos PRF atua em bloqueios antidemocráticos  - Foto: Alexandre Aroeira / Folha de Pernambuco

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) atualizou, na manhã desta quinta-feira (03), a situação dos bloqueios nas rodovias federais do país feitos por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro. De acordo com uma postagem da corporação no Twitter, são 71 manifestações em andamento. Os atos se concentram em Mato Grosso, Santa Catarina, Pará e Roraima.

Os bloqueios em rodovias têm sido feitos desde a noite de domingo, em protesto ao resultado da eleição presidencial, vencida por Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Veja onde estão os bloqueios:
Amapá - sem ocorrências

Acre - sem ocorrências

Alagoas - sem ocorrências

Amazonas - uma interdição

Bahia - sem ocorrências

Ceará - sem ocorrências

Distrito Federal - sem ocorrências

Espírito Santo - sem ocorrências

Goiás - sem ocorrências

Maranhão - sem ocorrências

Minas Gerais - sem ocorrências

Mato Grosso - 24 interdições

Mato Grosso do Sul - duas interdições

Pará - sete interdições

Paraíba - sem ocorrências

Pernambuco - sem ocorrências

Piauí - sem ocorrências

Paraná - dois bloqueios

Rio de Janeiro - sem ocorrências

Rio Grande do Norte - sem ocorrências

Rondônia - dez interdições

Roraima - sem ocorrências

Rio Grande do Sul - sem ocorrências

Santa Catarina - 16 interdições e 11 bloqueios

Sergipe - sem ocorrências

São Paulo - sem ocorrências

Tocantins - sem ocorrências

Em São Paulo, de acordo com a Secretaria de Segurança Pública do estado, até as primeiras horas desta manhã, a Polícia Militar dissolveu 334 pontos de bloqueio e realizou 365 ações de liberação em avenidas da capital e em rodovias estaduais e federais em todo o estado de São Paulo. Mais de 260 multas, no valor de R$ 100 mil, foram aplicadas aos condutores que desrespeitaram a determinação de liberação das vias.

Já no Rio, segundo a atualização mais recente da PRF, só há pontos de concentração e nenhuma interdição. Cerca de 20 manifestantes seguem com estrutura montada no km 575 da BR 101 e, segundo a corporação, o grupo informou que a intenção é ir até o quartel localizado em Guaratinguetá.

Bolsonaro faz "apelo"
A desmobilização ocorre um dia após o presidente Jair Bolsonaro gravar um vídeo, publicado na noite desta quarta-feira, solicitando que seus apoiadores liberem as rodovias federais que estão sendo ocupadas. Ao realizar o "apelo", Bolsonaro pediu que seus seguidores não "pensem mal" dele e afirmou que eles podem fazer outros tipos de manifestações.

"Quero fazer um apelo a você. Desobstrua as rodovias. Isso aí não faz parte, no meu entender, dessas manifestações legítimas. Não vamos perder nós, aqui, essa nossa legitimidade. Outras manifestações vocês estão fazendo pelo Brasil todo. Em praças. Faz parte, repito, do jogo democrático. Fiquem à vontade" diz Bolsonaro no vídeo, publicado em suas redes sociais.

Na gravação, o presidente afirma que quer o "bem" dos seus apoiadores.

"Por favor, não pensem mal de mim. Eu quero o bem de vocês. Ao longo desse tempo todo, à frente da Presidência, colaborei para ressurgir o sentimento patriótico, o amor à pátria, as nossas cores verde e amarelo, defesa da família, defesa da liberdade. Não vamos jogar isso fora. Vamos fazer o que tem que ser feito. Estou com vocês."

Bolsonaro ressaltou que a PRF tem atuado na desobstrução, mas afirmou que são "muitos pontos" a serem liberados e que isso causa "prejuízo" a todos. Ele ainda disse entender que os apoiadores estão "chateados", e afirmou estar "tão triste" quanto eles, mas pediu que eles mantenham "a cabeça no lugar".

Veja também

Lula foi monitorado pelo governo dos Estados Unidos, diz jornal
investigação

Lula foi monitorado pelo governo dos Estados Unidos, diz jornal

Múcio se mobiliza em busca de recursos para Forças Armadas; governo discute bloqueio de gastos
Brasil

Múcio se mobiliza em busca de recursos para Forças Armadas; governo discute bloqueio de gastos

Newsletter