Palocci é indiciado por corrupção passiva na Lava Jato

Ex-ministro teria solicitado e coordenado o pagamento de R$ 128 milhões em propina pela Odebrecht, segundo apontam planilhas apreendidas pela PF

A delação da JBS prevê que novos anexos sejam entregues em 120 dias a partir da assinaturaA delação da JBS prevê que novos anexos sejam entregues em 120 dias a partir da assinatura - Foto: Zanone fraissal/folhapress

Preso na Operação Lava Jato, o ex-ministro Antonio Palocci Filho foi indiciado pela Polícia Federal, nesta segunda-feira (24), sob suspeita de receber propina do grupo Odebrecht a fim de defender os interesses da empresa.

"Antonio Palocci Filho, a partir do que foi possível apurar em esfera policial, foi o verdadeiro gestor de pagamentos de propina realizados pela Odebrecht", diz o despacho de indiciamento, assinado pelo delegado Filipe Hille Pace.

O ex-ministro teria solicitado e coordenado o pagamento de R$ 128 milhões em propina pela Odebrecht, segundo apontam planilhas apreendidas pela PF e intituladas "Posição Programa Especial Italiano".

O "Italiano", segundo concluiu a investigação, fazia referência a Palocci, conforme indicam dezenas de e-mails e mensagens eletrônicas de Marcelo Odebrecht e outros executivos da empresa.

Pace refuta a argumentação da defesa do ex-ministro, que afirmou que "Itália", de acordo com uma mensagem de Marcelo Odebrecht, seria uma mulher. A mensagem a que os advogados faziam referência trata de uma reunião com a ex-presidente Dilma Rousseff, identificada por um pronome feminino -daí a confusão.

Segundo a PF, Palocci recebeu propina "em razão de sua interferência direta em diversos projetos e áreas controladas pelo governo federal e que visavam beneficiar indevidamente a Odebrecht" -como na aprovação de crédito e parcelamento de tributos para empreiteiras e na interferência numa licitação da Petrobras em prol da Odebrecht.

Além de Palocci, também foram indiciados, sob suspeita de corrupção, seus ex-assessores Branislav Kontic e Juscelino Dourado, o empresário Marcelo Odebrecht e, sob suspeita de lavagem de dinheiro, o casal de publicitários João Santana e Mônica Moura (que teriam recebido parte dos pagamentos solicitados por Palocci).

O indiciamento é um dos passos da investigação penal, e mostra que há indícios de que determinada pessoa cometeu um crime, segundo a investigação policial. O relatório será encaminhado ao Ministério Público Federal, que decide, então, se há elementos suficientes para denunciar os indiciados.

Outro Lado

Palocci nega as acusações e afirmou que jamais agiu em favor dos interesses da Odebrecht na Petrobras, Congresso ou no governo federal. Em entrevista à imprensa quando da prisão do ex-ministro, o advogado José Roberto Batochio não negou que Palocci tivesse um bom relacionamento com Marcelo Odebrecht -mas afirmou que isso fazia parte de seu trabalho na Fazenda.
"[Tinha bom relacionamento] com ele e com a torcida do Corinthians. Ele falava com todo o empresariado", declarou o advogado.

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC