Papel das redes sociais na eleição de Bolsonaro é tema de debate nos EUA

O debate aconteceu nesta sexta -feira (5) em Boston

Presidente Jair Bolsonaro (PSL)Presidente Jair Bolsonaro (PSL) - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ataques à imprensa e aos jornalistas durante um período de forte polarização política foi tema de debate na Brazil Conference, evento organizado por alunos das universidades Harvard e Massachusetts Institute of Technology (MIT), em Boston, nos EUA.

Nesta sexta-feira (5), as jornalistas Patrícia Campos Mello, do jornal Folha de S.Paulo, Vera Magalhães, do jornal O Estado de S. Paulo, e a pesquisadora Yasodara Córdova, de Harvard, discutiram a disseminação de fake news nas redes sociais e os efeitos dessa prática na disputa que elegeu Jair Bolsonaro (PSL) presidente no ano passado.

Durante o painel "Jornalismo: os desafios da mídia em tempos de polarização", Patrícia disse que não é possível afirmar que Bolsonaro venceu a disputa contra Fernando Haddad (PT) no segundo turno apenas em razão das redes sociais, mas é preciso observar com atenção os desdobramentos desse processo.

Leia também:
Bolsonaro anuncia publicitário no comando da Secretaria de Comunicação
Bolsonaro diz que pretende acabar com horário de verão
Bolsonaro sugere saída de Ricardo Vélez Rodriguez do MEC

Na avaliação da repórter especial da Folha de S.Paulo, ações em massa no Twitter, Facebook e WhatsApp podem ser espontâneas, mas também uma tentativa de manipular a opinião pública."A automatização, militantes ou bots [robôs] estão inflando alguns tipos de narrativa. Isso está sendo usado e a gente [jornalista/imprensa] é vítima. É preciso ver o quanto é voluntário e espontâneo e o quanto é tentativa de manipular a opinião pública".

Patrícia foi alvo de ataques nas redes sociais após a publicação de uma reportagem, em outubro do ano passado, que revelou que empresários impulsionaram disparos em massa pelo WhatsApp contra o PT.A prática é ilegal porque se trata de doação de campanha por empresas, o que é vedado pela lei eleitoral, e não declarada.

Após a publicação da reportagem, os advogados de Bolsonaro protocolaram no  Tribunal Superior Eleitoral (TSE) uma ação contra Haddad, sua vice, Manuela D'Ávila (PCdoB), o presidente do Grupo Folha, Luiz Frias, a então diretora Editorial e de Redação da Folha, Maria Cristina Frias, e Patrícia Campos Mello.

Segundo Patrícia, os jornalistas estão sujeitos a questionamentos, desde que isso não seja escalado para ameaças.

Vera Magalhães, por sua vez, disse que é redutor afirmar que Bolsonaro foi eleito pelas ações nas redes sociais. Para ela, houve uma "conjunção de fatores" que o levaram ao Planalto, como a Operação Lava Jato, o desgaste da imagem do PT -envolvido em diversas denúncias de corrupção-, a situação econômica do país e, por fim, o atentado a faca que Bolsonaro sofreu em setembro.

Ainda de acordo com a jornalista do Estado de S. Paulo, a imprensa errou ao não tratar Bolsonaro como uma hipótese real de vitória e, a partir de agora, precisa expor e informar os fatos de maneira responsável, em um caminho que, para ela, ainda é de aprendizado."Não podemos repetir os erros. Ele [Bolsonaro] ataca a imprensa e isso não vai mudar", afirmou Vera. "Nosso papel é expor de maneira responsável, é um caminho de aprendizado que tem erros e acertos e é um dever de casa de todos nós".

 

Veja também

Bolsonaro diz que vai defender na ONU marco temporal para demarcação de terras indígenas
Política

Bolsonaro diz que vai defender na ONU marco temporal para demarcação de terras indígenas

 54% reprovam gestão de Bolsonaro contra a pandemia da Covid, mostra Datafolha
Datafolha

54% reprovam gestão de Bolsonaro contra a pandemia da Covid, mostra Datafolha