Para Marun, é 'surreal' possibilidade de candidatura de Lula

Crítica do ministro é um contraponto a orientação dada pelo presidente Michel Temer para que a equipe ministerial não se posicione sobre a condenação

Carlos Marun  (PMDB-MS)Carlos Marun (PMDB-MS) - Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, avaliou nesta terça-feira (6) ser uma "situação surreal" que um condenado em segunda instância judicial tente ser candidato à sucessão presidencial. Em uma referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ele ressaltou que a Lei da Ficha Limpa é "clara" e que tentam criar "interpretações baseadas em criatividade".

A crítica do ministro é um contraponto a orientação dada pelo presidente Michel Temer para que a equipe ministerial não se posicione sobre a condenação, evitando fortalecer o discurso do petista de que foi perseguido ou vitimizado. "Os condenados em segunda instância são inelegíveis, mas começam essas essas interpretações baseadas em criatividade, começam a gerar uma dúvida sobre o assunto e nós vivemos essa situação surreal, em que um condenado que não pode ser candidato lidera as pesquisas para presidente", disse.

Leia também:
Marun diz que governo vai insistir na posse de Cristiane Brasil como ministra
Marun diz que ainda há espaço para mudanças na reforma da Previdência

Para o ministro, interpretações políticas de uma legislação que é clara criam o risco de que a credibilidade do Poder Judiciário seja afetada. "Eu defendo o respeito à legislação, que é clara e tem de ser cumprida", disse. Na semana retrasada, o TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região manteve a condenação do petista, que deve recorrer ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Silêncio
No dia da decisão, por orientação do presidente, ministros evitaram comentar o assunto, como o próprio Carlos Marun. "Em relação ao ex-presidente, o governo não tem que opinar. É uma questão da Justiça e está sendo resolvida na Justiça", disse. O próprio presidente afirmou, em entrevista à reportagem dias antes da condenação, que preferia que Lula fosse derrotado na eleição presidencial e não fosse impedido de se candidatar.

O ministro participou nesta terça (6) de café da manhã com entidade de servidores públicos para pedir apoio à reforma previdenciária. Ele calcula que ainda faltam cerca de 40 votos para aprová-la. Segundo ele, virar metade dos votos dos indecisos é "difícil", mas não é "impossível".

Veja também

Governo decide prorrogar até abril de 2021 presença das Forças Armadas na Amazônia Legal
Meio Ambiente

Governo decide prorrogar até abril de 2021 presença das Forças Armadas na Amazônia Legal

STF nega maioria das solturas como a obtida por André do Rap
Justiça

STF nega maioria das solturas como a obtida por André do Rap