Para Marun, Ministério da Defesa é 'típico de um civil'

A Defesa será entregue temporariamente ao secretário-geral Joaquim Silva e Luna, general do Exército

Relator da CPMI da JBS, Carlos MarunRelator da CPMI da JBS, Carlos Marun - Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

Responsável pela articulação política do Palácio do Planalto, o ministro Carlos Marun (Secretaria de Governo) defendeu nesta segunda-feira (26) que o Ministério da Defesa seja comandado por um civil. Como o atual titular da pasta, Raul Jungmann, assumirá o novo Ministério da Segurança, a Defesa será entregue temporariamente ao secretário-geral Joaquim Silva e Luna, general do Exército.

"O Ministério da Defesa é típico de um civil", disse Marun à Folha, ponderando que ainda não conversou sobre o tema com o presidente Michel Temer. Sem conseguir encontrar um nome de peso para o Ministério da Segurança, Temer teve de recorrer a uma solução caseira. Acontece que deixar um representante do Exército no comando da Defesa pode constranger Marinha e Aeronáutica.

Leia também
Novo Ministério da Defesa é criado e Raul Jungmann é o titular
Para Marun, é 'surreal' possibilidade de candidatura de Lula


Em conversas reservadas, o presidente tem discutido a indicação para a Defesa de um nome da carreira diplomática, que tenha mais habilidade para lidar com as disputas de poder dentro das Forças Armadas. A ideia foi a mesma adotada pelos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, que, durante seus mandatos, escolheram para o posto, respectivamente, José Viegas Filho e Celso Amorim.

Trocas
A intenção, segundo Marun, é que todos os interinos permaneçam no cargos até abril, quando o governo terá de promover uma considerável reforma ministerial, já que ao menos 12 titulares devem se desincompatibilizar para disputar as eleições. Os Ministérios do Trabalho e da Indústria, Comércio Exterior e Serviços estão sendo comandados por seus interinos desde que Ronaldo Nogueira e Marcos Pereira, respectivamente, entregaram seus cargos. "A ideia é fazer a reforma ministerial uma só vez", disse Marun.

Assim como Jungmann, o ministro Blairo Maggi (Agricultura) também desistiu de disputar as eleições em outubro para permanecer no comando de sua pasta.
Outro que disse que vai continuar no governo é Alexandre Baldy, à frente do Ministério das Cidades desde novembro do ano passado.

Nos próximos dez meses, terão novo comando devido às eleições: Esporte, Desenvolvimento Social, Turismo, Integração Nacional, Relações Exteriores, Saúde, Educação, Ciência e Comunicações, Transportes, Meio Ambiente e Minas e Energia. A Fazenda também pode passar por uma troca, se Henrique Meirelles for candidato à Presidência.

A ideia é que se tenha um ministério mais técnico, já que os ministros, em geral, pretendem garantir a promoção de seus secretários-executivos e que a maioria dos parlamentares vai disputar algum cargo em outubro. O governo já identificou, por ora, um desentendimento entre desejo do ministro e intenções da bancada: Osmar Terra quer fazer de seu secretário-executivo ministro do Desenvolvimento Social. Peemedebistas da Câmara, no entanto, querem que o cargo seja assumido pelo deputado Jones Martins (MDB-RS).

Veja também

Geraldo Pinho Alves Filho quer trazer linha de metrô para Paulista
Eleições 2020

Geraldo Pinho Alves Filho quer trazer linha de metrô para Paulista

Em Casa Amarela, João manda recado e diz que não se resolve problemas da cidade no grito
Eleições 2020

Em Casa Amarela, João manda recado e diz que não se resolve problemas da cidade no grito