Para Planalto, crise que era antes 'localizada' tornou-se 'generalizada' por conta de Geddel

Problema ameaça afetar diretamente a imagem pública do presidente e dá pretexto para a oposição pedir o impeachment do peemedebista

Agenda dos candidatos ao Governo de Pernambuco 2018Agenda dos candidatos ao Governo de Pernambuco 2018 - Foto: Arte: Folha de Pernambuco

O envolvimento do presidente Michel Temer na turbulência política envolvendo o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, ampliou o tamanho da crise governamental enfrentada pelo Palácio do Planalto desde a semana passada.

Leia mais:
Calero diz à PF que Temer o pressionou no caso Geddel
Oposição quer impeachment de Temer após depoimento de Calero


Para auxiliares e assessores presidenciais, em conversas reservadas, um problema que antes era localizado, focado em apenas um ministro, tornou-se "generalizada", ameaça afetar diretamente a imagem pública do presidente e dá pretexto para os partidos de oposição pedirem o impeachment do peemedebista.

Nas palavras de um aliado do presidente, ele poderia ter evitado o agravamento do quadro atual caso tivesse afastado o ministro do cargo, dando um exemplo de "punição pública". Agora, contudo, o diagnóstico é que, caso o afaste, o presidente estaria "assinando um atestado de culpa".

Com a manutenção de Geddel, a estratégia adotada nesta quinta-feira (25) pelo Palácio do Planalto tem sido a de minimizar o conteúdo do depoimento do ex-ministro Marcelo Calero e desqualificar a sua imagem pública, iniciando um enfrentamento contra ele sob o argumento de que ele compreendeu errado os diálogos com membros do governo federal.

O discurso adotado é que Temer não precisaria pedir para modificar a decisão do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), uma vez que, como presidente, poderia mandar alterá-la. E que, no fim, a decisão de manter a decisão técnica foi mantida.

Calero disse em depoimento à Polícia Federal que o presidente o "enquadrou" no intuito de encontrar uma "saída" para a obra de interesse de Geddel.

O empreendimento La Vue Ladeira da Barra, embargado pelo Iphan em Salvador, está no centro da mais recente crise envolvendo o Palácio do Planalto.

Na semana passada, Calero pediu demissão após acusar Geddel de "pressioná-lo" para o que o órgão de patrimônio vinculado ao Ministério da Cultura liberasse o projeto imobiliário onde o ministro adquiriu uma unidade.

Segundo Calero, Temer encarava com normalidade a pressão de Geddel, articulador político do governo e há mais de duas décadas amigo do presidente.

Veja também

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais
Edmar Lyra

Ricardo Teobaldo fortalece Podemos nas eleições municipais

A disputa se afunila em Salgueiro
Carlos Britto

A disputa se afunila em Salgueiro