Para Temer, indicações da base aliada para Caixa não configuram crime

Para ele, é "um pouco exagerado" comparar o escândalo na Caixa, que levou ao afastamento definitivo de três vice-presidentes, às denúncias de corrupção na Petrobras

Michel Temer, presidente da RepúblicaMichel Temer, presidente da República - Foto: Evaristo Sá/AFP

O presidente Michel Temer afirmou nesta segunda-feira (29) não considerar "criminoso" que parlamentares da base aliada indiquem nomes para diretorias de empresas estatais. Em entrevista à Rádio Bandeirantes, ele disse que partidos governistas têm o direito de sugerir opções e que cabe ao Palácio do Planalto dizer se aceita ou não as indicações.

Para ele, é "um pouco exagerado" comparar o escândalo na Caixa, que levou ao afastamento definitivo de três vice-presidentes, às denúncias de corrupção na Petrobras. "Muitas vezes chegam sugestões. Se são inconvenientes, o governo dirá se aceitará ou não. O fato de indicar não é criminoso, é sensível na democracia", disse.

Leia também:
Michel Temer tenta recuperar influência sobre eleição
Temer diz que Lula não está morto politicamente
Sem nova Previdência, Brasil vai ser Grécia, diz Temer a Silvio Santos

Segundo ele, a situação da Caixa não foi tão dramática como a da Petrobras que, na opinião dele, voltou a ser uma empresa próspera. Por suspeitas de irregularidades, o Ministério Público Federal pediu ao presidente que afastasse os vice-presidentes e que levasse em consideração critério técnicos para futuras nomeações.

O Palácio do Planalto queria manter atados à base aliada no Congresso Nacional partidos que indicaram os diretores da Caixa (PP, PR e PRB), visando a aprovação da reforma previdenciária.

Impostos
Na entrevista, o presidente afirmou ainda que não cogita a criação de novos tributos neste ano. Ele lembrou que a arrecadação do governo federal começa a se recuperar e que sempre se evita elevar a carga tributária. "Não creio que haja necessidade de novos tributos, especialmente se aprovarmos a reforma previdenciária", disse.

Ele ressaltou também que não abrirá mão do controle da empresa brasileira Embraer, mesmo que a norte-americana Boeing aumente a sua participação na companhia. "A Boeing pode aumentar sua participação na Embraer, mas não pode assumir o controle", disse.

O presidente reconheceu que a nova proposta da reforma previdenciária pode sofrer ainda mais modificações, mas que isso será feito pelo Congresso Nacional.
"Não é improvável que tenha um diálogo. O diálogo pode levar a uma ou outra modificação", disse.

Segundo ele, contudo, a ideia é "não ir além do que" já foi modificado, já que a economia projetada em dez anos pela proposta caiu de R$ 900 bilhões para R$ 600 bilhões. "Se você diminui um pouco mais, vai depender do Congresso Nacional", disse.

Veja também

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior
Política

Bolsonaro pede que diplomatas levem verdade do Brasil ao exterior

'Negar acesso à vacina é criminoso', diz Doria sobre decisão de Bolsonaro
Coronavírus

'Negar acesso à vacina é criminoso', diz Doria sobre decisão de Bolsonaro