Ato

Partidos políticos e movimentos sociais feministas realizam manifestação no Recife

Mulheres da CUT contra a fome e miséria Bolsonaro nunca maisMulheres da CUT contra a fome e miséria Bolsonaro nunca mais - Foto: Marconi Meirelles/Folha de Pernambuco

Partidos políticos e movimentos sociais feministas se reuniram neste sábado (4), na Praça do Diário, centro do Recife, em ato contra a fome, a miséria e também contra o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). 
Para a vereadora do Recife, Dani Portela (PSOL), a pandemia de Covid-19 acentuou a desigualdade de raça e gênero, atos como esse potencializam o poder de fala feminino.

“Aqui em Pernambuco 99,5% dos empregos formais perdidos durante a pandemia, foram perdidos por mulheres, então, precisamos entender que a pandemia acentua as desigualdades que são de raça e gênero também, por isso as mulheres precisam ter suas vozes potencializadas”, pontuou, a vereadora.

Também em tom crítico, a vice-presidente da Associação dos Docentes da Universidade Federal Rural de Pernambuco (ADUFERPE), Erika Suruagy, apontou o que, segundo ela, demonstra a falta de prioridade com a educação brasileira na gestão atual. "A educação tem sido violentamente atacada, nós temos corte de bolsa, corte de recursos, ataques de todas as áreas, esse é um governo que não tem prioridade para com os direitos dos trabalhadores”, afirmou.

Presente no ato, a deputada estadual, Tereza Leitão (PT), apontou a importância de movimentações como esta para ganhar musculatura de oposição nas próximas eleições. “Nós estamos fazendo esse movimento para alertar as outras mulheres da importância de não permitirmos que este governo continue, nós sabemos que o ideal seria o impeachment, mas enquanto isso não ocorre temos que criar força social”, destacou. 

Veja também

Presidente do PL quer lançar pré-candidatura de Bolsonaro junto com convenção do partido
Eleições 2022

Presidente do PL quer lançar pré-candidatura de Bolsonaro junto com convenção do partido

TSE estuda banir Telegram do Brasil para combater 'fake news' nas eleiçõesTECNOLOGIA

TSE estuda banir Telegram do Brasil para combater 'fake news' nas eleições