A-A+

Patrocinadores se retiram de jantar para Bolsonaro em NYC

O jantar acontecerá no dia 14 de maio e concederá ao presidente o prêmio de "Personalidade do Ano"

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Evaristo Sa/AFP

Vários patrocinadores de um jantar de gala em Nova York, onde o presidente Jair Bolsonaro receberá o prêmio de "Personalidade do Ano" em 14 de maio, se retiraram do evento, enquanto aumentou a pressão de ativistas para que seja cancelado.

A companhia aérea norte-americana Delta, o jornal britânico Financial Times e a consultoria Bain & Company confirmaram nesta sexta-feira (3) à AFP que retiraram seu patrocínio ao jantar de gala anual da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, que este ano presta homenagem a Bolsonaro.

Manifestantes brasileiros e americanos de 12 grupos diferentes, incluindo vários ambientalistas e ativistas LGBT, protestaram contra Bolsonaro todas as noites em frente ao hotel Marriott Marquis na Times Square, no coração de Manhattan, onde será realizado o jantar.




Leia também:
Bolsonaro: dinheiro retirado de universidades será investido na base
Bolsonaro mostra cicatriz de cirurgia na TV para dizer que facada não foi fake
Alfabetização será avaliada por gestão Bolsonaro só em amostra de escolas



Todos bem-vindos

O evento deveria acontecer inicialmente no Museu de História Natural de Nova York, mas este o cancelou após receber um tsunami de críticas.

Os ativistas lançaram uma nova petição, #CancelBolsonaro, para que o Marriott Marquis também boicote o evento. Promovida pelo senador estatal de Nova York Brad Hoylman, que é homossexual, já recolheu mais de 53.000 assinaturas.

"Ao acolher este evento, Marriott está dando a Bolsonaro uma plataforma que recompensa seu abominável comportamento", afirma a petição.

"Continuaremos protestando em frente ao hotel todo o dia para que cancelem", disse à AFP Natalia de Campos, do Comitê para a Defesa da Democracia Brasileira em Nova York, uma das organizadoras das manifestações diárias.

Consultado sobre a polêmica, um porta-voz do Marriott, Jeff Flaherty, informou que a rede de hotéis foi criada com base nos ideais de respeito, diversidade e inclusão."Dar as boas-vindas a todos e ser inclusivo significa incluir grupos que podem, ou não, compartilhar os valores de nossa companhia. No entanto, permitir a um grupo que use nossas instalações de nenhuma maneira significa que apoiamos suas posições", frisou.

Em uma recente postagem em inglês e português, o presidente da rede Marriott, Arne Sorenson, estimou que a empresa não pode discriminar ninguém por suas crenças, se a legalidade e a segurança não forem ameaçadas.

A Câmara não respondeu aos pedidos da AFP para comentar a informação, mas informou que não terá cobertura da imprensa do evento.O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, qualificou recentemente Bolsonaro como "um homem perigoso" por suas posições racistas, homofóbicas e contra a proteção da Amazônia.

Anualmente, a Câmara de Comércio Brasil-EUA escolhe duas personalidades, uma brasileira e outra americana, e as premia em um jantar de gala para mais de mil pessoas, com a presença de líderes do mundo das finanças, dos negócios e da diplomacia de ambos os países. As entradas custam 30.000 dólares cada uma e já estão esgotadas.

Bolsonaro viajará a Nova York de 12 a 15 de maio, segundo a Chancelaria brasileira.

Veja também

Morre aos 67 anos Carlos Neder, ex-deputado e fundador do PT
Luto

Morre aos 67 anos Carlos Neder, ex-deputado e fundador do PT

Encontro com Alckmin, França, Kassab e Skaf tem gritos de 'tchau, Doria' e críticas ao governador
São Paulo

Encontro com Alckmin, França, Kassab e Skaf tem gritos de 'tchau, Doria' e críticas ao governador