Paulo Preto acusado de lavar US$ 400 mil em 2016

Ele está preso em Curitiba (PR) desde fevereiro, quando foi deflagrada a 60º fase da operação Lava Jato

Paulo Preto, ex-diretor da DersaPaulo Preto, ex-diretor da Dersa - Foto: Arquivo/Agência Brasil

A força-tarefa Lava Jato no Paraná apresentou nova denúncia contra Paulo Vieira de Souza, conhecido por Paulo Preto, ex-diretor da Dersa, empresa estatal paulista de construção e manutenção de rodovias. Ele é acusado de lavagem de dinheiro de US$ 400 mil em 2016.

Paulo Preto está preso em Curitiba (PR) desde fevereiro, quando foi deflagrada a 60º fase da operação Lava Jato. Em março, ele já foi condenado a 145 anos de prisão por fraude nas obras do Rodoanel Sul em São Paulo, acusado dos crimes de peculato, associação criminosa e inserção de dados falsos em sistema público.

Leia também:
Mensagens de Moro e Lava Jato provocam reações de políticos
Paulo Preto transforma prisão em academia e via Eduardo Cunha com rival


Apontado como operador financeiro do PSDB, Preto foi diretor da Dersa entre 2005 a 2010, durante os governos de Geraldo Alckmin e José Serra. Ele também recebeu 27 anos de condenação por fraude a licitação e formação de cartel por irregularidades em obras do trecho sul do Rodoanel e do Sistema Viário Metropolitano de São Paulo, entre 2004 e 2015.

Segundo o MPF (Ministério Público Federal) narra na nova denúncia, o ex-diretor transferiu o dinheiro de uma conta na Suíça para outra em Hong Kong, por meio de offshores e com o apoio do doleiro Wu-Yu Sheng e do operador financeiro Rodrigo Tacla Duran.

Para finalmente ter acesso a quantia no Brasil, Duran teria realizado quatro entregas do valor equivalente em reais –somando R$ 1.380 milhão– a Preto, entre maio em junho de 2016. De acordo com a denúncia, entre as provas do crime estão registro do celular do ex-diretor, em que constaria "Grude - OK Rui Rei", sendo "Rui Rei" um dos codinomes utilizados por Duran.

O apelido foi admitido por ele mesmo, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito da JBS. Também foram utilizadas como provas da denúncia as declarações dos delatores Fernando Migliaccio e Marco Bilinski, ex-executivos da empreiteira Odebrecht.

Na denúncia, o MPF pediu a decretação de nova prisão cautelar do ex-diretor. Os procuradores receberam informações e provas via cooperação internacional atestando que, enquanto estava solto, Preto continuou movimentando dinheiro a partir de uma conta aberta nas Bahamas, para onde teriam sido enviados cerca de US$ 34 milhões no início de 2017. Ele teria feito ao menos ao menos sete transferências até 2019, somando US$ 5 milhões.

A reportagem tentou contato com a defesa do ex-diretor, mas não obteve retorno até a publicação deste texto.

Veja também

Alvo de investigações, Ricado Salles pede demissão do governo
Meio Ambiente

Alvo de investigações, Ricado Salles pede demissão do governo

Com ressalvas, TCE aprova contas de Doria e cobra transparência em gastos com CoronaVac
São Paulo

Com ressalvas, TCE aprova contas de Doria e cobra transparência em gastos com CoronaVac