governo

Pazuello força a barra ao ficar na Saúde, dizem militares após crítica de Gilmar Mendes

Mendes afirmou, no sábado (11), que o Exército estaria se associando a um "genocídio" no Brasil por causa da má administração da pasta

O ministro interino da Saúde, Eduardo PazuelloO ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello - Foto: Agência Brasil

As críticas do ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), ao papel dos militares na administração da epidemia do novo coronavírus no Brasil intensificaram a resistência, nas Forças Armadas, à presença do general Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde.

Mendes afirmou, no sábado (11), que o Exército estaria se associando a um "genocídio" no Brasil por causa da má administração da pasta.

A pressão para que Pazuello deixe o ministério, ou então passe para a reserva, desvinculando-se da força, já existia, e agora se intensifica.

No Exército, a impaciência é geral. Um dos militares que integram a cúpula da organização afirmou à reportagem que Pazuello já deveria ter se retirado da ativa e que está "forçando a barra" ao permanecer.

A situação, diz o militar, é desconfortável e faz com que o Exército fique "tomando pedrada de rebote", como a que foi atirada agora por Gilmar Mendes.

O general não apenas simboliza a presença do Exército na pasta como nomeou 28 militares -a metade deles, da ativa -para cargos que eram antes ocupados por técnicos em saúde.

A afirmação de Gilmar Mendes também gerou, por outro lado, reação contrária a ele na cúpula das Forças Armadas.
O ministro da Defesa, Fernando Azevedo, entrará com uma representação na PGR contra o magistrado.

Ele também assinou uma nota junto com os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica repudiando as afirmações.

Veja também

Peru vive seu momento mais crítico nos últimos 100 anos, diz presidente
América

Peru vive seu momento mais crítico nos últimos 100 anos, diz presidente

Senado aprova PL sobre prioridade de vacinação da Covid-19 e R$ 1,9 bilhão para a compra de vacinas
Coronavírus

Senado aprova PL sobre prioridade de vacinação e R$ 1,9 bi para compra de vacinas