A-A+

Permanência de Vélez no MEC será definida nesta segunda, diz Bolsonaro

Segundo Bolsonaro, o ministério precisa funcionar 'redondinho', o que não tem acontecido

O presidente Jair Bolsonaro empossa o ministro da Educação, Ricardo Vélez RodríguezO presidente Jair Bolsonaro empossa o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez - Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro terá uma reunião na próxima segunda-feira (8) com o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, para definir o futuro dele no comando da pasta. Bolsonaro afirmou que tem havido reclamações sobre o funcionamento do Ministério da Educação (MEC).

"Vai ser uma última conversa, para ver se continua ou não continua", disse o presidente nesta sexta-feira (5), logo após participar da inauguração do espaço de atendimento da Ouvidoria da Presidência da República, no Palácio do Planalto.

Leia também:
Bolsonaro sugere saída de Ricardo Vélez Rodriguez do MEC
Defesa de 64 irrita militares, que pedem saída de Vélez do MEC


Segundo Bolsonaro, o ministério precisa funcionar "redondinho", o que não tem acontecido, mas evitou tratar o afastamento de Vélez como inevitável. "Só a morte não tem conserto", afirmou. Perguntado se já pensa em um eventual substituto, o presidente desconversou em tom de brincadeira: "Eu estou noivo ainda, como é que vou pensar numa namorada?".

Notícia
Em Campos do Jordão (SP), Vélez, que participou do fórum empresarial Lide, disse que não tinha sido informado até a manhã desta sexta da possibilidade de demissão: "Eu pessoalmente não tenho notícia disso".

O ministro afirmou que não pedirá demissão: "Não vou entregar o cargo". Sobre as críticas que vem sofrendo, perguntado se acreditava que a situação estava insustentável, o ministro disse que a única "coisa insustentável é a morte" e que a saída para problemas de gestão no Ministério da Educação é "racionalidade".

Em pouco mais de três meses, houve mais de dez demissões de postos do alto escalão do MEC e órgãos vinculados. Na mudança mais recente, publicada ontem (4) no Diário Oficial da União, o governo exonerou a chefe de gabinete do ministro, Josie Pereira, e o assessor especial Bruno Garschagen.

Para o presidente, é preciso preparar os estudantes para a chamada 4ª revolução industrial, que está transformando o mercado de trabalho. Ele defendeu também que o professor tenha mais autoridade no ambiente escolar. "Temos que achar uma maneira do professor recuperar a autoridade na sala de aula", disse.

Turismo
Bolsonaro também comentou a situação do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, alvo de investigação da Polícia Federal, no inquérito sobre o esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais. O ministro foi eleito o deputado federal mais bem votado do partido no estado. Segundo o presidente, é preciso aguardar a conclusão das investigações.

"O que acertei com todos os ministros desde o começo, conversei também com o ministro [Sergio] Moro [Justiça e Segurança Pública], em havendo uma conclusão final de inquérito, com prova robusta, aí tomo a decisão. Por enquanto não é o caso", afirmou.

Veja também

Ao saber do resultado, Bolsonaro diz que perguntou a Queiroga se iria usar 'outro medicamento'
COVID-19

Ao saber do resultado, Bolsonaro diz que perguntou a Queiroga se iria usar 'outro medicamento'

Bolsonaro diz que Forças Armadas não cumpririam suas eventuais ordens absurdas
Bolsonaro

Bolsonaro diz que Forças Armadas não cumpririam suas eventuais ordens absurdas