Peru inicia detenções de funcionários envolvidos em propinas da Odebrecht

O primeiro peruano detido na operação é Edwin Luyo Barrientos

OdebrechtOdebrecht - Foto: Agência Brasil

A polícia peruana deteve na sexta-feira (20) um funcionário do governo de Alan García (2006-2011) por supostamente receber subornos da construtora Odebrecht em troca de um contrato, enquanto buscava um vice-ministro da época envolvido no caso.

O primeiro peruano detido na operação de captura de supostos receptores de subornos de empresas brasileiras é Edwin Luyo Barrientos, que presidiu o Comitê de Licitação do Metrô de Lima, obra que finalmente foi concedida à Odebrecht em 2009.

A empresa admitiu o pagamento de propinas para ganhar contratos públicos no Brasil e em vários países da América Latina, no âmbito da Operação Lava-Jato.

Segundo o procurador Hamilton Castro, a cargo do caso no Peru, teria sido realizado um pagamento ilegal de mais de 7 milhões de dólares para a concessão da Linha 1 do Metrô de Lima.

"O pagamento teria sido destinado ao ex-vice-ministro (de Comunicações) Jorge Cuba e a Edwin Luyo. Suspeita-se que este montante não tenha sido apenas para os dois funcionários", detalhou o Ministério Público em sua conta no Twitter.

Esta primeira detenção ocorre depois que a Odebrecht forneceu informações ao Ministério Público como parte de um acordo.

Segundo imagens da América Televisión, Luyo foi detido em sua casa e levado pela polícia. Durante a transferência, Luyo tentava cobrir o rosto. "Até o momento, as detenções são preliminares", comentou o presidente do Poder Judiciário, Duberlí Rodríguez, à rádio RPP Noticias.

A polícia judicial informou à AFP que a operação continuará em outros distritos de Lima em busca de mais envolvidos. Segundo informações divulgadas pela imprensa, o ex-vice-ministro Cuba também foi buscado em sua casa, mas não foi encontrado.

No caso do Peru, a Odebrecht reconheceu o pagamento de 29 milhões de dólares para tomar o controle de obras públicas entre 2005 e 2014, períodos que compreendem os governos de Alejandro Toledo, Alan García e Ollanta Humala.

As autoridades judiciais já têm sob investigação por suposta lavagem de dinheiro Humala e sua esposa, Nadine Heredia, que só podem deixar o país com autorização judicial.

Para o juiz Richard Concepción Carhuancho, responsável pelo caso, "o risco de fuga aumentou", tanto de Humala quanto de sua esposa.

A decisão judicial se baseia na existência de autorizações notariais concedidas por Heredia - atualmente funcionária da FAO - onde autoriza seu marido a viajar com seus três filhos, todos menores de idade - para fora do país sem restrições, ou com uma terceira pessoa que ele desigune.

Em outro documento autorizam a mãe de Heredia a viajar com as crianças.

Veja também

MDB será alvo de novo embate pelo comando da sigla
Edmar Lyra

MDB será alvo de novo embate pelo comando da sigla

Ala do PSB resiste à recomposição e vê Miguel Coelho como melhor adversário
Folha Política

Ala do PSB resiste à recomposição e vê Miguel Coelho como melhor adversário