Petistas contestam Carmen Lúcia

"O assunto já existia, tinha uma nova maioria quando marcaram o julgamento para o dia 24. Foi uma clara tentativa de constranger o Supremo", disse o senador Lindbergh Farias

Lindbergh FariasLindbergh Farias - Foto: Agência Senado/Arquivo

Petistas contestaram a afirmação da presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, de que a corte "se apequenaria" se retomasse agora, após a condenação de Lula em segunda instância, o julgamento sobre a prisão de sentenciados nessa situação.

Leia também
Usar Lula para rediscutir regra de prisão é 'apequenar' STF, diz Cármen
Cármen Lúcia nega dois habeas corpus em favor de Lula
STJ nega habeas corpus ao ex-presidente Lula
Defesa de Lula pede que STJ suspenda inelegibilidade do ex-presidente


"O assunto já existia, tinha uma nova maioria quando marcaram o julgamento [de Lula] para o dia 24. Foi uma clara tentativa de constranger o Supremo", disse o senador Lindbergh Farias (RJ), líder do PT no Senado. "Apequenar o Supremo é aceitar essa política de intimidação e constrangimento feita por alguns magistrados de instâncias inferiores." Na segunda (29), Cármen Lúcia disse: "Não creio que um caso específico geraria uma pauta diferente. Isso seria realmente apequenar o Supremo".

A afirmação dela também foi contestada pelo senador Humberto Costa (PT-PE). "No nosso entendimento, se algo não está de acordo com o que a Constituição prevê, e ela prevê execução da pena com trânsito em julgado, não há um momento, apenas há uma coincidência. O que precisa ser feito é o que é certo e isso deve ser feito em qualquer momento."

Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa