Petistas criticam ligação de julgamento sobre 2ª instância com caso Lula

Cármen Lúcia disse que o STF se "apequenaria" se retomasse a discussão do caso após condenação de Lula

Lindbergh FariasLindbergh Farias - Foto: Agência Senado/Arquivo

Líderes petistas contestaram a afirmação da presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cármen Lúcia, de que a corte "se apequenaria" se retomasse agora o julgamento sobre prisão após condenação em segunda instância. A fala dela se dá menos de uma semana depois de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter sua pena confirmada pelo TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região.

"O assunto já existia, tinha uma nova maioria quando marcaram o julgamento para o dia 24. Foi uma clara tentativa de constranger o Supremo", disse o senador Lindbergh Farias (RJ), líder do PT no Senado. "Apequenar o Supremo é aceitar essa política de intimidação e constrangimento feita por alguns magistrados de instâncias inferiores", completou.

Leia também
Usar Lula para rediscutir regra de prisão é 'apequenar' STF, diz Cármen
Lula pede habeas corpus no STJ para evitar prisão
Defesa de Lula irá à ONU denunciar Moro e reclamar de perseguição


Durante jantar em Brasília com empresários e jornalistas organizado pelo site "Poder 360", na noite de segunda-feira (29), Cármen disse que o Supremo se "apequenaria" se retomasse a discussão do caso após o ex-presidente Lula ter sido condenado em segunda instância na semana passada. Em sessão realizada no último dia 24, os desembargadores confirmaram a pena imposta pelo juiz Sergio Moro ao petista.

"Não creio que um caso específico geraria uma pauta diferente. Isso seria realmente apequenar o Supremo", disse Cármen ao ser questionada sobre o caso do petista.
A afirmação da ministra também foi contestada pelo senador Humberto Costa (PT-PE). "O que estou acompanhando desde inicio é que essa discussão já vem sendo objeto de debate há um tempo. Não tem nada a ver com questão de Lula", disse.

"No nosso entendimento, se algo não está de acordo com o que a Constituição prevê, e ela prevê execução da pena com trânsito em julgado, não há um momento [para isso], apenas há uma coincidência. O que precisa ser feito é o que é certo e isso deve ser feito em qualquer momento". O petista disse ainda que "apequenar-se" seria "permitir que alguém seja injustamente preso" e completou que isso não tem nada a ver com o caso de Lula, mas sim com "princípios".

Caso Lula
Pré-candidato ao Palácio do Planalto nas eleições de outubro, Lula foi condenado no último dia 24 a 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex em Guarujá. De acordo com o entendimento atual do STF, após julgamento realizado em 2016, é permitida a prisão de condenados em segunda instância, como é o caso de Lula.

Após o julgamento do ex-presidente, cresceu nos bastidores do Supremo a discussão sobre uma nova votação sobre o tema. Há duas ações com o ministro Marco Aurélio Mello que tratam do assunto.

Veja também

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador
Bolsonaro

Sem máscara, Bolsonaro comemora independência dos EUA com embaixador

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore
Estados Unidos

Trump ataca revolução cultural "de esquerda" no Monte Rushmore