Petrobras não precisa 'dar dinheiro para um cara da OAB', afirma Bolsonaro

A colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, a empresa estatal enviou carta ao advogado comunicando que está cancelando o contrato que mantinha com ele para atuar em causas trabalhistas

Jair BolsonaroJair Bolsonaro - Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro defendeu nesta quarta-feira (7) a revisão dos contratos de advocacia e publicidade da Petrobras e disse que não era nem para ter sido firmado um acordo com o escritório de advocacia do presidente da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Felipe Santa Cruz.

Como revelou a colunista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo, a empresa estatal enviou carta ao advogado comunicando que está cancelando o contrato que mantinha com ele para atuar em causas trabalhistas. No ano passado, ele venceu uma causa estimada em R$ 5 bilhões que seriam pagos como horas extras atrasadas a funcionários embarcados nas plataformas de petróleo da companhia.

Leia também:
Petrobras cancela contrato com presidente da OAB
Barroso interpela Bolsonaro para explicar declarações sobre pai de presidente da OAB
Bolsonaro diz que não falou 'nada demais' sobre pai de presidente da OAB
Ex-presidentes da OAB vão ao STF exigir esclarecimento de Bolsonaro

Em entrevista na entrada do Palácio do Alvorada, onde mora, o presidente afirmou que a Petrobras não precisa "dar dinheiro para um cara da OAB que recebe recursos bilionários e não é auditado por ninguém". Questionado pela reportagem, ele não respondeu se a rescisão do contrato foi feita a pedido dele. "Eu havia falado já, nem era para ter esse contrato. Não é porque era ele, é porque a Petrobras não precisa disso: dar dinheiro para um cara da OAB que recebe recursos bilionários e não é auditado por ninguém."

O cancelamento ocorreu na semana seguinte ao presidente ter atacado o advogado, cujo pai desapareceu durante a ditadura militar. Ao reclamar que a entidade tinha entrado com uma ação para impedir a quebra do sigilo telefônico do defensor de Adélio Bispo, que o esfaqueou na campanha eleitoral do ano passado, o presidente afirmou que, se Santa Cruz quisesse saber como o pai, Fernando Santa Cruz, desapareceu durante a ditadura militar, poderia contar.

Depois, ao contrariar todos os dados oficiais sobre o caso, Bolsonaro afirmou que Fernando Santa Cruz foi morto por militantes de esquerda. Nesta quarta-feira, Bolsonaro ressaltou que o contrato de advocacia não era necessário e que tudo será "visto e revisado". Ele citou, por exemplo, um acordo de publicidade fechado pela estatal com a montadora britânica McLaren de cerca de R$ 600 milhões em cinco anos.

"Posso falar para você, não tem que esconder nada não: é qualquer contrato com qualquer empresa que tem de ser visto e revisado. Esse contrato é antigo, de alguns anos, não precisa disso", afirmou. "É muita coisa para ser revista", acrescentou.
Após a rescisão do contrato, Santa Cruz disse que ingressará com pedido judicial de reparação de danos e afirmou que tem sofrido uma clara "perseguição política". A Petrobras não quis comentar o caso.

Veja também

TRE-PE suspende campanha de rua em todo o Estado
FOLHA POLÍTICA

TRE-PE suspende campanha de rua em todo o Estado

Flávio Dino diz que vai processar Bolsonaro por propaganda política em viagem ao Maranhão
política

Flávio Dino diz que vai processar Bolsonaro por propaganda política em viagem ao Maranhão