Pezão diz esperar "amplo direito de defesa" para investigados em operação

Cabral chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras

Simone Santana é contra postergação dos recursos  para 2020Simone Santana é contra postergação dos recursos para 2020 - Foto: Divulgação

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, divulgou nota hoje (17) para comentar a Operação Calculite, que levou à prisão o ex-governador do estado Sérgio Cabral. Pezão disse esperar que as acusações do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF) sejam esclarecidas, mas com a garantia do amplo direito de defesa.

De acordo com as investigações, Cabral chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais em seus dois mandatos, entre 2007 e 2014. Nesse período, Pezão era vice-governador do Rio.

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, divulgou nota hoje (17) para comentar a Operação Calculite, que levou à prisão o ex-governador do estado Sérgio Cabral. Pezão disse esperar que as acusações do Ministério Público Federal (MPF) e da Polícia Federal (PF) sejam esclarecidas, mas com a garantia do amplo direito de defesa.

De acordo com as investigações, Cabral chefiava um esquema de corrupção que cobrou propina de construtoras, lavou dinheiro e fraudou licitações em grandes obras no estado realizadas com recursos federais em seus dois mandatos, entre 2007 e 2014. Nesse período, Pezão era vice-governador do Rio.

Veja também

Entre o bolso de prefeitos e a chance de o TSE questionar
Folha Política

Entre o bolso de prefeitos e a chance de o TSE questionar

Celso de Mello prorroga inquérito que apura suposta interferência na PF por Bolsonaro
STF

Celso de Mello prorroga inquérito que apura suposta interferência na PF por Bolsonaro