Pezão diz que não resistiu à proposta de intervenção federal na segurança

Ele afirmou que já vinha tratando essa possibilidade com o governo federal há cerca de um ano

Governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando PezãoGovernador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão - Foto: Agência Brasil

O governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, disse nesta sexta-feira (16) que já vinha pedindo que o presidente da República, Michel Temer, autorizasse o emprego de tropas militares numa missão de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ampliada no estado. As conversas avançaram e a conclusão foi pelo comando federal das forças de segurança locais.

“Eu aceitei prontamente, não tive resistência nenhuma. Vejo como uma parceria. Acho que no Brasil vai ser o grande tema a ser discutido. Segurança pública é uma chaga hoje no país”, disse o governador.

Leia também:
Tire suas dúvidas sobre a intervenção na segurança pública no Rio de Janeiro
'Intervenção no Rio é jogo de xadrez de Temer', afirma especialista
Intervenção é correta, diz base aliada; oposição classifica de cortina de fumaça
Jungmann e Etchegoyen afirmam que intervenção não põe democracia em risco


Pezão negou sentir-se “diminuído” com a entrega da segurança pública do Rio de Janeiro ao governo federal. Ele afirmou que é uma “oportunidade única” e acrescentou que já vinha tratando essa possibilidade com o governo federal há cerca de um ano.

O governador não tomará nenhuma decisão sobre o status do secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro, Roberto Sá. Com a segurança pública do estado entregue às forças federais, Sá perde o comando que tinha e, na prática, pode até ser exonerado. Segundo Pezão, o futuro do secretário ficará a cargo do general Walter Souza Braga Netto, chefe do Comando Militar do Leste, escolhido para comandar a intervenção.

“Vamos ver o que o general Braga Netto vai fazer. Ele vai conversar, ele se dá muito bem com Roberto Sá. A gente tinha uma ótima integração com o Comando do Leste. Ele vai ter a autonomia, como o Roberto Sá teve, de escolher seus auxiliares. Nunca interferi e muito menos agora”, disse.

Queda de receita
Pezão relacionou a crise de segurança com a crise financeira do estado, já que os servidores da área passaram a trabalhar de forma precária. “Tivemos problemas financeiros graves, e ainda temos. Temos cerca de 60% da nossa frota paralisada, ainda devemos o 13º salário de 2016. Foi um quadro muito difícil para nossa área de segurança trabalhar”.

O governador disse que não se sente culpado pela crise no estado. Segundo ele, a queda de receita dos royalties do petróleo foi responsável pelo problema. E lamentou a queda do preço do barril do petróleo pouco depois de ter assumido o governo. “Eu não sou culpado de ter chegado em abril com US$ 115 o barril do petróleo, governar um ano e dois meses com o preço do barril a US$ 28, depois quase um ano a US$ 32 o barril. O Rio tem uma dependência muito forte do petróleo. Tivemos uma queda de receita de 26%. Não é trivial”.

Veja também

Ministério Público de Goiás denuncia PMs que mataram rapaz com câncer nos ossos após abordagemJustiça

Ministério Público de Goiás denuncia PMs que mataram rapaz com câncer nos ossos após abordagem

Maioria da Primeira Turma do STF vota para manter prisão de Zé TrovãoJustiça

Maioria da Primeira Turma do STF vota para manter prisão de Zé Trovão