PF aponta indícios de propina para Cabral em obras pós-tragédia

A suspeita surgiu a partir da análise sobre planilhas apreendidas na casa de José Orlando Rabello

Ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio CabralEx-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Relatório da Polícia Federal aponta indícios de cobrança de propina por parte da suposta quadrilha comandada pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) até em obras emergenciais contratadas logo após a tragédia na região Serrana do Rio, em janeiro de 2011.

A suspeita surgiu a partir da análise sobre planilhas apreendidas na casa de José Orlando Rabello, apontado como operador do ex-secretário Hudson Braga. Os dois estão presos, assim como o ex-governador, desde novembro após a deflagração da Operação Calicute.

De acordo com os papéis apreendidos, a propina cobrada podia chegar até a 8% do valor total das obra emergenciais, dos quais Cabral, segundo a PF, ficava com a metade. O Estado firmou contatos sem licitação de cerca de R$ 147 milhões com verbas do governo federal. Mais de mil pessoas morreram ou desapareceram nas chuvas de janeiro de 2011.

Segundo a PF, as planilhas sobre o programa de resposta a desastre indicam que 2% estavam destinados a "BSB". A PF supõe se tratar alguém ligado ao governo federal à época, já que os recursos vieram parcialmente do Ministério da Integração.
Também há indícios a pagamento de propina para pessoas de fora da estrutura do Estado nas obras do programa "Asfalto na Porta", de asfaltamento de cidades no interior. O projeto custou cerca de R$ 700 milhões, com financiamento do Banco do Brasil.

Nas planilhas encontradas sobre o programa, há a destinação de 2% para "BR". Para a PF, trata-se "possivelmente algum político de nível nacional, ou diretório nacional do PMDB". As obras na região Serrana e do "Asfalto na porta" ainda não haviam sido citadas nas investigações da Operação Lava Jato no Rio. Cabral é acusado de receber propina da Andrade Gutierrez pelas obras do Maracanã, do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) nas favelas e Arco Metropolitano.

Veja também

Em cúpula de Biden, Bolsonaro deve reciclar discurso de Salles sem detalhar estratégia
Meio Ambiente

Em cúpula de Biden, Bolsonaro deve reciclar discurso de Salles sem detalhar estratégia

STF decidirá se mantém declaração de parcialidade de Moro e se processos de Lula vão para DF ou SP
LULA

STF decidirá se mantém declaração de parcialidade de Moro e se processos de Lula vão para DF ou SP