PF cumpre mandados de prisão por desvio de recursos na Fecomércio no RJ

Operação Jabuti investiga esquemas de corrupção envolvendo o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, que está preso em Curitiba

Polícia FederalPolícia Federal - Foto: Arquivo/Agência Brasil

Policiais federais fazem nesta sexta-feira (23) uma operação para investigar desvio de recursos da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio-RJ). Os agentes cumprem quatro mandados de prisão, sendo um de prisão preventiva e três de prisão temporária. Além disso, há dez mandados de busca e apreensão.

A operação, chamada Jabuti, é um desdobramento da Operação Calicute, que investiga esquemas de corrupção envolvendo o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral, que está preso em Curitiba.

Leia também:
Juiz concede prisão domiciliar a empresário preso na Operação Calicute
Lava Jato deflagra 48ª fase e mira desvios em concessão de rodovias no PR


Além dos desvios de recursos, a Polícia Federal investiga crimes de lavagem de dinheiro e de pagamento de cerca de R$ 180 milhões em honorários advocatícios com recursos da Fecomércio.

Segundo as investigações da PF, pessoas ligadas à Fecomércio-RJ estariam envolvidas em operações irregulares incluindo o desvio de recursos, lavagem de dinheiro e pagamento, com recursos da entidade, de vultosos honorários a escritórios de advocacia. Entre os escritórios beneficiados está o de Adriana Ancelmo, esposa de Sérgio Cabral.

Também foi apurado que diversas pessoas receberam, por anos, salários da entidade, embora nunca tenham trabalhado na Fecomércio. “Algumas dessas pessoas, na verdade, trabalhavam para o ex-governador preso, e outras são familiares próximos de outros membros da organização criminosa”, diz a nota da PF.

Veja também

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial
auxílio emergencial

Quase 11 mil candidatos com patrimônio superior a R$ 300 mil receberam o auxílio emergencial

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC
política

Ministério Público pede que PF investigue ataque em que Arthur do Val relaciona Tatto ao PCC