PF e MPF cumprem mandados de prisão por fraudes na Saúde

São alvo de mandados de prisão e busca e apreensão pessoas ligadas a grandes multinacionais que atuam no setor. Há ao menos dois mandados de prisão contra executivos da Philips do Brasil

Polícia FederalPolícia Federal - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (4) uma operação para prender empresários do setor de equipamentos de saúde. São alvo de mandados de prisão e busca e apreensão pessoas ligadas a grandes multinacionais que atuam no setor. Há ao menos dois mandados de prisão contra executivos da Philips do Brasil.

A investigação menciona outras grandes empresas internacionais. A investigação aponta fraudes em licitações da Secretaria de Saúde e no Into (Instituto Nacional de Traumatologia). A Operação Ressonância é um desdobramento da Operação Fatura Exposta, que prendeu o ex-secretário de Saúde Sérgio Côrtes em abril de 2017. A estimativa inicial era que as fraudes geraram um desvio de cerca de R$ 300 milhões ao governo do Rio de Janeiro.

Leia também:
Ex-secretário de Saúde do RJ é absolvido em processo de obstrução de Justiça
Justiça bloqueia bens de Cabral e mais 24 réus por fraudes no setor de saúde
Cristiane Brasil é alvo de operação contra fraudes em Ministério


Um dos alvos da operação é o empresário Miguel Iskin, que já havia sido preso na Fatura Exposta, e solto em dezembro por decisão do ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal). Ele é apontado como um organizador do cartel de pregões internacionais na pasta e no Into.

Além do mandado de prisão contra Iskin, há outros 21 a serem cumpridos por determinação do juiz Marcelo Bretas. Côrtes é alvo de um mandado de busca e apreensão -outros 42 são cumpridos no Rio de Janeiro, São Paulo, Paraíba, Minas Gerais e no Distrito Federal.

A suspeita é que o grupo embutia nos preços de equipamentos médicos importados adquiridos pelo Estado impostos de até 40% que órgãos públicos não são obrigados a pagar. Dessa forma, o valor das taxas saíam dos cofres públicos para os fornecedores para, depois, serem repassados aos integrantes da quadrilha.

Outro elemento da investigação é a delação premiada do ex-subsecretário de Saúde César Romero, que também originou a Fatura Exposta. Em depoimento, ele detalhou o cartel que foi adotado na Secretaria de Saúde. O colaborador mencionou 18 multinacionais do setor de saúde.

A investigação também tem participação do Conselho de Atividade de Defesa Econômica (Cade). Parte das provas foi fornecida por meio de acordo de leniência firmado pelo órgão.

Veja também

Vereador ofende Paulo Gustavo em discurso sobre Dia das Mães
PAULO GUSTAVO

Vereador ofende Paulo Gustavo em discurso sobre Dia das Mães

Bolsonaro vai ao aeroporto receber ex-motorista de jogador que recebeu indulto na Rússia
ROBSON OLIVEIRA

Bolsonaro vai ao aeroporto receber ex-motorista de jogador que recebeu indulto na Rússia