PF envia ao Supremo gravações feitas por Calero no caso do prédio de Geddel

Material conta com gravações de conversas com autoridades em ligações telefônicas

Michel Temer e Marcelo CaleroMichel Temer e Marcelo Calero - Foto: Beto Barata/PR

A Polícia Federal enviou para o STF (Supremo Tribunal Federal) as gravações feitas por Marcelo Calero, ex-ministro da Cultura, no caso do prédio em Salvador que era de interesse do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

Segundo a Folha de S.Paulo apurou, a PF fez uma análise do material para saber se os registros eram audíveis e se sofreram alguma edição, e o encaminhou ao Supremo na manhã desta terça-feira (29).

O material conta com gravações de conversas com autoridades em ligações telefônicas. Os registros foram feitos por Calero com um gravador digital, também entregue à PF.

O ex-ministro da Cultura, em depoimento à PF no último dia 19, afirmou que sofreu pressão e foi "enquadrado" pelo presidente Michel Temer para resolver a situação do prédio embargado, que não estava boa para Geddel.

Nesta segunda (28), a Procuradoria-Geral da República (PGR) requisitou oficialmente à PF o encaminhamento dos áudios, com o argumento de que teria de ter em mãos todos os elementos probatórios para decidir se pede ao STF a abertura de um inquérito sobre políticos com foro privilegiado.

No material, há uma ligação protocolar de Calero com Temer e conversas com o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil). Gustavo Rocha, assessor jurídico da Presidência da República, também fez telefonemas para o ex-ministro da Cultura para dar orientações sobre o que fazer no caso.

O STF deve encaminhar os áudios à PGR, a quem compete pedir à corte autorização para instaurar inquérito sobre autoridades com foro privilegiado -no caso, Padilha e Temer.

O caso

Calero, que se demitiu na semana retrasada, disse ter sido pressionado pelo então ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) a rever um parecer do Iphan (instituto do patrimônio histórico) nacional que proibiu a construção do edifício La Vue Ladeira da Barra, onde Geddel diz ter comprado um apartamento.

Em meio à crise gerada pelo caso, Geddel também deixou o governo. Com isso, ele perdeu o foro privilegiado -um eventual inquérito sobre ele tramitaria em primeira instância, não no Supremo.

Além de ter acusado Geddel, o ex-ministro da Cultura afirmou ter sido "enquadrado" pelo presidente Temer e procurado pelo ministro Padilha, da Casa Civil. Ambos negam ter pressionado Calero para beneficiar Geddel.

Veja também

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida
Saúde

Marcos Pontes participa de evento sobre pesquisa da nitazoxanida

YouTube bloqueia vídeo de campanha de Russomanno por desrespeitar direitos autorais da Fifa
SÃO PAULO

YouTube bloqueia vídeo de Russomanno com imagens da Fifa