PF faz buscas nas casas de André Esteves, do BTG, e de Graça Foster, ex-Petrobras

As buscas se relacionam a diferentes inquéritos policiais que contaram com as revelações do ex-ministro dos governos petistas Antonio Palocci em acordo de delação premiada

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta sexta-feira (23) a 64ª fase da operação Lava Jato, que envolve investigações sobre propina paga pela empreiteira Odebrecht. Estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão na casa de Graça Foster, ex-presidente da Petrobras, e de André Esteves, ex-presidente do BTG Pactual.
As buscas se relacionam a diferentes inquéritos policiais que contaram com as revelações do ex-ministro dos governos petistas Antonio Palocci em acordo de delação premiada.

Nos documentos da Odebrecht, ele é chamado "Italiano". O objetivo da PF é identificar outros beneficiários do dinheiro da planilha denominada "Programa Especial Italiano". Na quarta-feira (21), a PF prendeu Mauricio Ferro, que era diretor jurídico da Odebrecht. Na casa dele, a polícia afirma ter encontrado quatro chaves de criptografia para acessar informações que podem ser inéditas e relacionadas ao setor de propinas da empresa.

Ao todo, estão sendo cumpridos 12 mandados de busca e apreensão nas cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro. Segundo a PF, os crimes abrangem corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Segundo a PF, também é objeto dessa fase esclarecer atos de corrupção envolvendo a BTG em um projeto de vendas de ativos da Petrobrás na África. As investigações apontam que o negócio pode ter lesado os cofres públicos em pelo menos US$ 1,5 bilhão, aproximadamente R$ 6 bilhões.


Leia também:
Nova fase da Lava Jato mira suspeita de propina da Odebrecht a ex-ministros petistas
Lava Jato cumpre mandados de prisão por propina paga a 2 ex-ministros

Esta fase é chamada de operação "Pentiti", que significa "arrependidos". O termo faz referência a integrantes de organizações criminosas italianas que, após as prisões, se "arrependeram" e passaram a colaborar com as investigação. Em maio, reportagem do jornal Folha de S.Paulo mostrou que o ex-ministro petista Antonio Palocci disse em delação premiada que o banqueiro André Esteves, dono do BTG, deu R$ 5 milhões para cobrir custos da campanha da petista Dilma Rousseff à Presidência da República, em 2010.

A contrapartida seria o governo petista transformar Esteves no "banqueiro do pré-sal", segundo Palocci disse aos policiais federais em seu acordo de delação. À época, procurado pela reportagem e informado sobre o teor da reportagem, Esteves não quis se manifestar.

Palocci assinou três acordos de delação, dois com a Polícia Federal, de Curitiba e Brasília, e um com o Ministério Público Federal do Distrito Federal. O acordo de Curitiba foi recusado pela Procuradoria e criticado pelo procurador da Lava Jato Carlos Fernando Lima, que o chamou de "acordo do fim da picada". Mais tarde, foi assinado com a Polícia Federal e homologado pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

Num outro caso, de 2015, André Esteves foi inocentado. Chegou a ficar 23 dias preso naquele ano por seu nome ter sido citado em conversas gravadas por um delator, num esquema que seria capitaneado pelo ex-senador do PT Delcídio do Amaral para obstruir a Lava Jato. Sem provas além da menção nas conversas, a prisão de Esteves foi revertida, e o caso, encerrado pelo Supremo Tribunal Federal.

A história agora contada por Palocci, negada por alguns dos citados e sem documentos que a comprovem, consta do termo de colaboração 7 do conjunto de histórias que compõem a delação que tramita em Curitiba e serve como base para investigação de desvios na Petrobras. O documento tem data de 17 de abril de 2018 e trata de operações financeiras relativas ao financiamento da construção de navios-sonda que atuariam nos campos de petróleo em alto mar.

Veja também

Presidente da OAB diz que convocará sessão para debater omissões de Bolsonaro na pandemia
POLÍTICA

Presidente da OAB diz que convocará sessão para debater omissões de Bolsonaro na pandemia

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada
Lei de Segurança nacional

Jovem preso em Minas por tuíte sobre Bolsonaro diz que publicação tinha tom de piada