PF fez 32 operações para encontrar Battisti, foragido há uma semana

Familiares, amigos e defesa dizem ter perdido o contato com o italiano desde que ministro Luiz Fux determinou sua prisão

Cesare Battisti, em 2011, deixando o Presídio da PapudaCesare Battisti, em 2011, deixando o Presídio da Papuda - Foto: Marcello Casal Jr/ABr

A Polícia Federal fez até agora 32 operações para tentar localizar o italiano Cesare Battisti. Ele teve a prisão determinada na semana passada pelo ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), e é considerado foragido. "Nenhuma delas logrou êxito. Mas temos pistas, que obviamente não posso falar aqui", disse o diretor-geral da Polícia Federal, Rogério Galloro, nesta sexta-feira (21).

A PF divulgou no último domingo (16) 20 retratos de possíveis disfarces do terrorista italiano. Ele foi condenado em seu país pelo assassinato de quatro pessoas na década de 1970. A Itália fez no ano passado um novo pedido de extradição de seu cidadão. O STF já havia decidido em 2009 aprovar a repatriação, mas o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), no último dia de seu mandato, em 2010, permitiu a permanência dele no Brasil. A palavra final em casos de extradição é do presidente da República.

O presidente Michel Temer (MDB) decidiu na sexta-feira passada (14) autorizar a devolução do italiano, gesto que foi considerado controverso por especialistas no tema. A medida não foi cumprida porque o europeu já havia sumido. Na sexta, dia seguinte à determinação de Fux, a PF fez operação nas casas do estrangeiro. Battisti vive nos últimos anos em Cananeia (litoral de São Paulo).

Leia também:
PF procura Cesare Battisti, considerado foragido
Battisti está 'com algum companheiro ou fora do Brasil', diz Bolsonaro
Temer decide extraditar italiano Cesare Battisti
Polícia Federal divulga possíveis disfarces de Battisti


Ele morou por muito tempo em um imóvel na região central emprestado por um amigo. Há cerca de seis meses, se mudou para uma casa que construiu em um bairro mais afastado do centro da cidade. Vizinhos dizem que o viram pela última vez em novembro. "A PF prendeu Battisti três vezes e todas as vezes ele foi liberado", lembrou Galloro em referência a capturas ocorridas anteriormente. Segundo o diretor-geral, todos os protocolos foram acionados e a Interpol também está trabalhando no caso.

Galloro ainda disse não saber se Battisti será encontrado em território brasileiro, mas afirmou ter confiança em sua localização. As buscas feitas desde a semana passada incluíram visitas a amigos do condenado. Ex-companheira do italiano, a professora Priscila Pereira relatou que foi procurada por agentes da PF em sua casa, em São José do Rio Preto (SP). Ela teve com Battisti um filho que hoje tem cinco anos.

Um dos argumentos da defesa do italiano para tentar mantê-lo no país é sua ligação com o menino. Em recurso apresentado ao STF, os advogados afirmaram que o garoto depende economicamente do pai. O casal Carlos Lungarzo e Silvana Barolo disse também ter sido procurado em casa, em Santos (SP), por membros da divisão antiterrorismo da PF, nesta quinta-feira (20).

De acordo com o historiador e a socióloga, que são amigos do italiano, eles informaram aos agentes que já faz tempo que não falam com o europeu e que não têm notícia sobre seu paradeiro.

A defesa de Battisti afirma que não conseguiu contato com o cliente desde o dia em que o ministro do STF [Fux] determinou sua prisão. Segundo o advogado Igor Tamasauskas, os defensores foram procurados pela Polícia Federal com uma proposta de negociação para que o italiano se entregasse. A conversa sobre uma possível rendição, no entanto, não avançou, já que os advogados dizem não saber onde ele está.

Veja também

“Iremos intensificar a fiscalização”, garante Paulo Augusto de Freitas Oliveira
Entrevista

“Iremos intensificar a fiscalização”, garante Paulo Augusto de Freitas Oliveira

Corrida pela vacina contra Covid-19 vira alvo de politização
Coronavírus

Corrida pela vacina contra Covid-19 vira alvo de politização