PGR defende competência do Supremo para julgar posse de Cristiane Brasil

Parecer foi motivado por um pedido de informações feito pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia

Cristiane Brasil (PTB)Cristiane Brasil (PTB) - Foto: Geraldo Magela / Agência Senado

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou nesta quarta-feira (24) ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer no qual defende a competência da Corte para julgar a validade da nomeação da deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) no cargo de ministra do Trabalho.

Leia também
Presidente do STF suspende posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho
Advogados trabalhistas recorrem ao Supremo contra posse de Cristiane Brasil
Planalto marca para segunda posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho
STJ suspende decisão que impedia posse de Cristiane Brasil como ministra
  

O parecer foi motivado por um pedido de informações feito pela presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, que, no início da semana, suspendeu temporariamente a posse de Cristiane Brasil ao analisar uma reclamação do Movimento dos Advogados Trabalhistas Independentes contra decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) a favor da liberação da posse. A cerimônia estava prevista para última segunda-feira (22).

No documento, o vice-procurador, Luciano Mariz Maia, argumentou que o ministro Humberto Martins, do STJ, não poderia ter liberado a posse por tratar-se de matéria constitucional, assunto que deve ser analisado pelo STF.

"Exatamente por não haver norma infraconstitucional que indique os requisitos a serem observados por candidatos ao cargo de ministro de Estado é que a decisão liminar apoiou-se, para suspender o decreto de nomeação, exclusivamente no princípio da moralidade", argumentou o procurador.

Com base nos argumentos da PGR e na manifestação que será enviada ao STF pela Advocacia-Geral da União (AGU), a ministra Cármen Lúcia deve analisar o mérito da questão e julgar o caso novamente.

A nomeação de Cristiane Brasil foi anunciada pelo presidente Michel Temer no dia 3 de janeiro, mas a deputada foi impedida de tomar posse por força de uma decisão liminar (provisória) do juiz Leonardo da Costa Couceiro, da 4ª Vara Federal de Niterói, proferida em 8 de janeiro.

O magistrado acolheu os argumentos de três advogados que, em ação popular, questionaram se a deputada estaria moralmente apta a assumir o cargo após ter sido revelado pela imprensa que ela foi condenada pela Justiça do Trabalho a pagar mais de R$ 60 mil a um ex-motorista, em decorrência de irregularidades trabalhistas. Em seguida, a posse também foi suspensa por decisões da segunda instância da Justiça Federal no Rio de Janeiro.

Veja também

Senador Arolde de Oliveira morre em decorrência da Covid-19
Política

Senador Arolde de Oliveira morre em decorrência da Covid-19

Senado aprova indicação de Alexandre Costa Rangel para CVM
política

Senado aprova indicação de Alexandre Costa Rangel para CVM