PGR defende no Supremo divulgação parcial de reunião ministerial

Segundo o Procurador Geral da República, a divulgação do vídeo na Íntegra contrariaria regras e princípios constitucionais

Procurador Geral da República Augusto ArasProcurador Geral da República Augusto Aras - Foto: Rosinei Coutinho/SCO/STF

O procurador-geral da República, Augusto Aras, defendeu há pouco no Supremo Tribunal Federal (STF) apenas a divulgação das falas do presidente Jair Bolsonaro que estiverem relacionadas com a investigação sobre a reunião no Palácio do Planalto, realizada no dia 22 de abril. No parecer, Aras afirmou que a divulgação íntegra da reunião ministerial contraria as regras e princípios constitucionais de investigação.

A manifestação foi motivada pelo pedido do relator do caso, ministro Celso de Mello, que deu prazo de 48 horas para que as partes do inquérito se manifestem sobre a retirada do sigilo da gravação audiovisual da reunião, que foi citada pelo ex-ministro Sergio Moro em depoimento no início do mês. Moro acusou o presidente de tentar interferir na Polícia Federal e citou a reunião como prova.

No entendimento do procurador, somente as falas de Bolsonaro que tratem do objeto da investigação devem ser divulgadas. Segundo Aras, a medida é necessária para cumprir a legislação criminal e para evitar a polarização do inquérito.

Leia também:
Em reunião, Bolsonaro reclamou da PF, citou proteção à família e disse: 'Vou interferir'
'Não vou esperar f. minha família toda de sacanagem', disse Bolsonaro em reunião, segundo AGU

“O procurador-geral da República não compactua com a utilização de investigações para servir, de forma oportunista, como palanque eleitoral precoce das eleições de 2022”, afirmou.

Mais cedo, a Advocacia-Geral da União (AGU) defendeu a divulgação de todas as falas do presidente Jair Bolsonaro durante reunião, exceto “falas de outras autoridades que estavam presentes sobre nações amigas” e comentários “potencialmente sensíveis” do ministro das Relações Exteriores e da Autoridade Monetária (Banco Central).

Na quinta-feira (13), a defesa de Moro também enviou sua manifestação e defendeu a divulgação da reunião na íntegra.

Após receber todas as manifestações, Celso de Mello vai decidir se o sigilo será retirado de forma total o parcial.

Desde a exoneração de Moro, o presidente nega que tenha pedido para o então ministro interferir em investigações da PF.

Veja também

Presidência veta projeto que obriga cobertura de tratamento de câncer
Saúde

Presidência veta projeto que obriga cobertura de tratamento de câncer

General Ramos resiste a entregar Casa Civil a líder do centrão às vésperas de reforma de Bolsonaro
Ministérios

General Ramos resiste a entregar Casa Civil a líder do centrão às vésperas de reforma de Bolsonaro