PGR envia ao Supremo acordo de delação do empresário Lúcio Funaro

Dolerio está detido há mais de um ano na Papuda, no DF

O analista financeiro Lúcio Bolonha Funaro foi preso preventivamente há mais de um anoO analista financeiro Lúcio Bolonha Funaro foi preso preventivamente há mais de um ano - Foto: Lula Marques/Folhapress

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o acordo de delação premiada do empresário e doleiro Lúcio Funaro, que está preso há mais de um ano no Complexo Penitenciário da Papuda, no Distrito Federal. Para terem validade, os depoimentos precisam ser homologados pelo ministro Edson Fachin.

Funaro é processado pela Justiça Federal em Brasília em três investigações da Polícia Federal (PF) – Greenfield, Sépsis e a Cui Bono – que envolvem suspeitas de desvios de recursos públicos e fraudes na administração de quatro dos maiores fundos de pensão de empresas públicas do país: Funcef (Caixa), Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Postalis (Correios). O empresário também foi citado nas delações da JBS.

Leia também:
PGR pressiona Eduardo Cunha a entregar aliados
Henrique Eduardo Alves recebeu propina de 4 empreiteiras, diz investigação

Funaro é testemunha-chave em processos que envolvem o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e os ex-ministros Henrique Eduardo Alves e Geddel Vieira Lima.

Veja também

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP
DIRETÓRIO ESTADUAL

Ex-assessora de Baleia Rossi é investigada por suspeita de caixa dois no interior de SP

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados
EDMAR LYRA

Arthur Lira se consolida pelo comando da Câmara dos Deputados