Plano Mansueto mexe em folha. Alepe, TCE, TJPE e MP reagem

Queixa tem a ver com limite de gastos com pessoal fixado pela LRF

Pedro Paulo (DEM-RJ)- Relator do Plano MansuetoPedro Paulo (DEM-RJ)- Relator do Plano Mansueto - Foto: divulgacao

O debate foi desencadeado pela iminência da votação do Plano Mansueto, que está na pauta de hoje na Câmara Federal. Se o referido Projeto de Lei Complementar 149/19, do Poder Executivo, é a menina dos olhos dos governadores, porque amplia, com aval da União, a capacidade dos estados de realizarem operações de crédito, para os poderes Legislativo, Judiciário, para o Ministério Público, Tribunal de Contas e Defensoria Pública, a proposta pode gerar um estrangulamento em seus gastos com pessoal.

Em carta, datada do último dia 2, os mandatários desses poderes dirigiram-se à bancada federal pernambucana, pedindo que ela: "se posicione contrariamente ao PL 149/2019". O pleito se dá por um motivo: "Especialmente no que diz respeito à inclusão das despesas com inativos, pensionistas e terceirizados, além daquelas com o imposto de renda, dentro dos limites de gastos com pessoal dos Poderes e instituições do Estado". Referem-se à proposição de alteração do artigo 18 da Lei de Responsabilidade Fiscal, colocada no PL 149/ 2019. O deputado federal Tadeu Alencar, encarregado pelo PSB de dialogar com o relator, deputado Pedro Paulo (DEM-RJ), traduz: "No caso do Ministério Público, o daqui (de Pernambuco) chega a quase 2% (da receita com pessoal).

A maioria, dos outros estados, já ultrapassa. Na hora que a regra (atual da LRF) for alterada, eles estariam todos irregulares. Se não tiver espaço para alterar (esse quesito), que, pelo menos, se dê prazo razoável às instituições para adequação". O comprometimento da despesa com pessoal tem limite estabelecido pela LRF, o que embasa o incômodo dos poderes. A carta destinada à bancada é assinada por: Eriberto Medeiros (presidente da Alepe); Fernando Cerqueira (presidente do TJPE), Francisco Dirceu Barros (Procurador-Geral de Justiça de Pernambuco), Dirceu Rodolfo (presidente do TCE-PE) e por José Fabrício Silva (Defensor Público-Geral de Pernambuco).

Carta cita R$ 130 mi contingenciados
A carta, assinada pelos presidentes de poderes, em relação a alteração na LRF, fala ainda que essas instituições foram "acometidas por aposentadorias em massa a partir da recente reforma da previdenciária" e cogita "desfalque significativo em seus quadros, em caso da impossibilidade da necessária reposição". E, então, anota "contingenciamneto dos orçamentos dessas instituições em até R$ 130 milhões", em função da Covid-19.
Desagravo 1 > Na reunião da bancada do PSB na Câmara Federal, na tarde de ontem, ficou acordado que o partido prepararia uma nota em defesa da manutenção da política de saúde pública que o ministro Luiz Henrique Mandetta vem adotando.
Desagravo 2 > A ideia no PSB, com esse desagravo, é provocar uma mobilização do Congresso. "Mudar Mandetta, no meio dessa confusão, é uma mudança na política de contenção social. Nessa fase mais difícil, isso é desastroso", argumenta Tadeu Alencar.
Vice-líder > Tadeu Alencar, agora, é vice-líder da Oposição. Aceitou convite do líder, André Figueiredo, na semana passada, para cumprir a nova missão. O socialista era líder do PSB.
Capítulos > O deputado Silvio Costa Filho falou com Mandetta no último sábado de manhã, se dá bem com o ministro e avalia que "o presidente Bolsonaro erra, porque ele virou um comentarista do seu próprio governo". Em coletiva ontem, Mandetta disse que fica, mas externou "angústia" da equipe e pediu paz para trabalhar, registrando que a semana começou com novo “solavanco”.

 

Veja também

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil
Política

Popularidade de Bolsonaro cai em plena segunda onda da pandemia no Brasil

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife
BLOG DA FOLHA

Vereador quer assistência psicológica nas escolas municipais do Recife