Joel da Harpa (PP) gostaria que reforma da Previdência elaborada no Governo Temer não sofresse modificações
Joel da Harpa (PP) gostaria que reforma da Previdência elaborada no Governo Temer não sofresse modificaçõesFoto: Anderson Stevens/Arquivo Folha

Em seu primeiro discurso do ano, na Assembléia Legislativa, o deputado estadual Joel da Harpa, voltou abordar o tema da reforma da Previdência. Ele convocou todos os militares estaduais (policiais e bombeiros) a radicalmente não aceitarem a reforma. "Se o Governo Federal quer, de fato, resolver o problema da segurança pública do Brasil, federalize todas as policias, acabe com a polícia militar e equipare os salários ao da policia federal”, afirmou.

Ele garante que continua “apoiando o presidente Jair Messias Bolsonaro desde que ele não mude o seu discurso e a sua opinião daquilo que ele pregou na sua pré-campanha”. A preocupação do parlamentar é baseada em documento que circula nas redes sociais que supostamente seria a proposta do presidente Bolsonaro. "Todos nós sabemos que eu fui um dos grandes precursores do Jair Bolsonaro aqui. Em 2015, eu trouxe Jair Bolsonaro aqui no estado, estive com ele em todo o estado de Pernambuco e todas as vezes que fui a Brasília, fiz questão de visitar o gabinete dele. Por que eu tenho o perfil de trabalhar com os profissionais de segurança pública", lembrou.

Joel comentou que entre 2016 e 2017, houve muita articulação no Congresso Nacional para convencer o presidente Michel Temer para poupar os militares da Reforma. "Os militares não poderiam pagar o preço que já vem pagando ao longo dos anos. Militar não tem FGTS, hora extra, trabalha no São João, trabalha no carnaval, tem um código disciplinar arcaico. E a própria Constituição Federal deixou os militares de fora em vários contextos", frisou.

Leia também:
João Campos pede criação de comissão para evitar desastres em barragens
Professor Paulo Dutra assume Comissão de Educação
Sivaldo Albino assume vice-liderança do governo


O deputado reclamou da ausência de dialogo do Governo Federal. "O vice-presidente Mourão vem falando nas redes sociais que os militares precisam contribuir. Ora, ele pode passar 100 anos no Exército mas o policial que leva poeira na cara, na rua ou em cima de uma moto? Quando a gente vê um policial com 30 anos de serviço completados, a gente vê um homem acabado, cheio de problemas de saúde. Mourão é general no Exército mas, enquanto politico, ele é vice - presidente da Républica e precisa aprender a ouvir as lideranças, associações e categorias", criticou.

Documento - De acordo com o parlamentar, um documento está sendo preparado para os 25 deputados federais pernambucanos, pedindo apoio para caso a reforma chegue com esse texto, ele não seja aceito. "Além de aumentar o tempo de serviço, prejudica as pensionistas e apresenta vários pontos que são prejudiciais para os militares de todo Brasil", avaliou.

comece o dia bem informado: