Os deputados também realizarão em 2019 um seminário sobre o tema, em um município que ainda será definido
Os deputados também realizarão em 2019 um seminário sobre o tema, em um município que ainda será definidoFoto: Wesley D'Almeida

A Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Doenças Raras se reuniu, nesta segunda-feira, na Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco. Os deputados definiram como prioridade uma reunião com o Secretário de Educação e Esportes Fred Amâncio para debater a situação dos alunos pernambucanos, uma vez que se aproxima o período de matricula dos alunos nas escolas.

Os deputados Wanderson Florêncio (PSC), Alessandra Vieira (PSDB), Roberta Arraes (PP), Sivaldo Albino (PSB), Clarissa Tércio (PSC), Romero Sales Filho (PTB) e as codeputadas Juntas (PSOL), deliberaram sobre as próximas ações da Frente, além de analisar os dados do relatório entregue pela Frente sobre o tema, realizada entre os anos 2017 e 2018 na Casa.

“Foi uma reunião bastante produtiva em que definimos nosso cronograma de atividades. Concordamos em avançar nos assuntos relacionados à educação, mas não esquecemos dos outros temas. Queremos executar o que já foi diagnosticado e debatido nos anos anteriores”, afirmou o coordenador geral Wanderson Florêncio.

Nos próximos dias os parlamentares visitarão as obras de requalificação da Avenida Conde da Boa Vista, para vistoriarem a questão de acessibilidade. Os deputados também realizarão em 2019 um seminário sobre o tema, em um município que ainda será definido.

“As pautas relacionadas à deficiência e doenças raras mexem com várias esferas do Poder Público. Acredito que nossa atuação é de fundamental importância para o fortalecimento das temáticas, ações e leis efetivas relacionadas aos temas”, declarou Romero Sales Filho.

A Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência e Doenças Raras solicitou que as instituições públicas definam os seus representantes, além de deixar agendado para o próximo dia 30 deste mês a próxima reunião.

“Como defensora da causa que, muitas vezes, é desassistida pelo serviço público, considero o grupo um importante avanço para todos que serão alcançados graças às ações da frente", disse Clarissa Tércio.

O coletivo Juntas ressaltou a necessidade de uma interprete de Libras na Alepe para que uma parcela maior da sociedade possa acompanhar os debates na Casa. "Essa frente é fundamental para avançarmos na inclusão e na acessibilidade. Assim como as Juntas possuem intérprete de Libras na equipe, nós queremos que a Alepe também oferte essa língua", afirmou a codeputada Robeyoncé Lima.

comece o dia bem informado: