Lula concedeu entrevista ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e da senadora Glesi Hoffmann (PT)
Lula concedeu entrevista ao lado da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e da senadora Glesi Hoffmann (PT)Foto: Reprodução do Facebook

Antes de seguir para Ipojuca, onde cumpre mais uma agenda das atividades por Pernambuco, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concedeu entrevista, na manhã desta quinta-feira (25), para a mídia independente de Pernambuco. O petista falou sobre a política de alianças e afirmou que está convencido que a aliança política continua necessária no País. O petista também declarou que o senador Renan Calheiros (PMDB-RR) o ajudou a governar o Brasil.

“Eu estou convencido que a aliança política continua necessária. Deixa eu falar uma coisa para as pessoas entenderem. O Renan pode ter todos os defeitos, agora o Renan me ajudou a governar esse País. Se ele cometeu algum erro - e eu sou da opinião do seguinte, que todo mundo é inocente até que se prove o contrário. Olha, se eu quero pra mim a inocência até que se prove o contrário eu tenho que querer para os outros também. E o Renan me recebeu em Penedo, Renan foi no título Doutor Honoris Causa, o filho dele foi junto. Não vejo nenhum problema”, disse Lula, ao ser questionado sobre as movimentações com lideranças políticas durante a caravana pela região Nordeste.

O ex-presidente também citou José Sarney (PMDB-AP) e disse ser grato ao peemedebista. “Eu sou grato ao Sarney como presidente do Senado. Eu sou grato. Teve um tempo que as pessoas queriam que eu rompesse com o Sarney e eu ia ganhar de presidente o Marconi Perilo. Ora, você vai deixar de ter um tubarãozinho manso para ter um tubarão novo mordendo até o pé. Eu acho que você tem que medir essa decisão em cada momento. Você não precisa fazer um acordo definitivo. Você pode fazer acordos pontuais. Em cima de cada projeto”, disse o cacique petista.

Lula também falou sobre o desejo de mais força da esquerda no Brasil: “Eu gostaria que a esquerda tivesse mais força, que cada partido, o PCdoB elegesse 50 deputados, que o PSOL elegesse 50, 60, que o PSTU elegesse 50, 60. Que a esquerda do PMDB elegesse 50, 60. Mas quem vota é o eleitor. E quando eleitor vota nós temos que nos subordinar ao desejo das urnas. A única coisa que eu peço é que nessa eleição de 2018 nós vamos ter que ser mais cuidadoso com o nosso discurso para melhor orientar a população para votar”, disse.

O ex-presidente participou da entrevista ao lado da presidente nacional do PT, sendora Glesi Hoffmann, e da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). A entrevista foi transmitida ao vivo na Universitária FM e nas páginas da Marco Zero Conteúdo e do programa Fora da Curva no Facebook.

Ainda nesta sexta-feira, Lula realiza ato, na parte da tarde, no Pátio do Carmo, no Centro do Recife.

assuntos

comece o dia bem informado: