Marília Arraes na Rádio Folha
Marília Arraes na Rádio FolhaFoto: Paullo Allmeida

Após a reunião com o diretório nacional do PT com a presidente nacional da legenda Gleisi Hoffmann, o ex-presidente Lula, e as lideranças petistas nos diretórios municipal e estadual, e com a sinalização da direção nacional de que será candidata no Recife, Marília Arraes adotou um tom conciliador, em entrevista à Rádio Folha (FM 96,7), nesta sexta-feira (31).

"Minha intenção nunca foi sair de reunião ou discussão nenhuma com vencedores ou vencidos. Principalmente falando do mesmo partido. Temos muito mais convergências do que divergências, ponderou. "Saí bem tranquila e bem animada. Estamos fechados de que todas as capitais do Nortdeste terão candidatura e no Recife não seria diferente, até porque temos chances reais de ganhar a eleição", disse.

Marília defendeu o diálogo interno para promover a unidade do PT nas eleições. "O importante é que a gente pare com picuinha e de briga, isso não está na pauta das pessoas. O povo do Recife não gosta disso. Precisamos debater um projeto para cidade do Recife. É tranquilo. Quem tem prazo não tem pressa, já dizia Marco Maciel", comentou, concordando que abril é um bom cronograma para fehcar essa questão, apesar de que "vai botar o bloco na rua" desde já.

Sobre a conversa particular com Gleisi e Lula, Marília contou que foi para coordenar o processo eleitoral no Recife. "Eu fiquei mais para receber orienações para conduzir essa questão da melhor maneira. Foi um acompanhamento deles nessa condução para que não haja mais problemas nem divisão interna no partido", frisou. Marília destacou que o presidente Lula e a presidente Gleisi estão fazendo um esforço para convencer as instâncias do PT em Pernambuco sobre sua candidatura.

A deputada voltou a minimizar o embate com o senador Humberto Costa. "Ele pé uma peça fundamental e é importante que a gente ressalte isso. Merece respeito e ter suas opiniões respeitadas. Tem sido um líder importante no parlamento", elogiou.

Em entrevista, Humberto se mostrou ressentido por Marília não ter votado nele para senador e som em Silvio Costa. Marília minimizou o problema e criticou a escolha da frente Popular para a outra vaga ao senado. "Eu converso isso com Humberto sem ser pela imprensa. Se há cicatriz, gatranto que de minha parte não há alguma. E o senador da Frente Popular era Jarbas Vasconcelos que está aí votando nas pautas do governo Bolsonaro", disse.

Marília voltou a criticar o PSB e as declarações de João Campos. "O PSB fala mais de mim do que eu mesma. Se precisa ir para a impresa para falar que não tem medo de mim, é para ficar com medo mesmo porque a gente vai vir com tudo. Não me interessa o que João Campos pensa do PT, ele tem que discutir o partido dele", alfinetou.

Ouça a entrevista:

assuntos

comece o dia bem informado: