Presidente Jair Bolsonaro
Presidente Jair BolsonaroFoto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Buscando o diálogo com o governo Bolsonaro, o presidente da Confederação Nacional dos Municípios (CMN), Glademir Aroldi, se reúne com representantes da gestão federal para defender a agenda municipalista. A pauta que será levada pelos prefeitos inclui 30 reivindicações. As principais demandas levadas serão a realização do pacto federativo, a aprovação da reforma da Previdência e a renegociação das dívidas dos municípios. O primeiro encontro está previsto para os dias 12 e 13 de fevereiro. Na ocasião, os presidentes das associações estaduais de representação municipal vão se reunir para entregar a agenda para o Palácio do Planalto.

Segundo Aroldi, a pauta é dividida por temas estruturantes e transitórios. Contudo, um ponto considerado estratégico é a aprovação da reforma previdenciária. O dirigente avalia que sem ela é impossível avançar nas demandas municipalistas e que o apoio dos prefeitos a aprovação da matéria está garantido.

"É uma pauta estruturadora que precisa acontecer. O governo não vai a lugar nenhum sem a nova previdência. Ela é importante para estados e municípios", avalia. Aroldi registra que 2.500 municípios com regime próprio previdenciário estão com passivo em seus fundos e é preciso também negociar o parcelamento da dívida. Temas pontuais como o compartilhamento dos recursos do pré-sal e o aumento de 1% na parcela do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) também entrarão na pauta.

Antes da apresentação da pauta federativa, o presidente da entidade já tem encontro marcado também com o ministro da Economia, Paulo Guedes, nos próximos. O objetivo é aprofundar o debate sobre renegociação das dívidas dos Executivos municipais.

assuntos

comece o dia bem informado: