Sérgio Camargo
Sérgio CamargoFoto: Reprodução

A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu de uma decisão da Justiça Federal da semana passada suspendendo a nomeação de Sérgio Camargo para a presidência da Fundação Palmares.

O recurso foi apresentado na sexta (6) ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5). A suspensão de Camargo foi determinada após o juiz Emanuel Guerra, da 18ª Vara Federal do Ceará, acatar um pedido de uma ação popular. Em redes sociais, Camargo fez declarações consideradas racistas, o que provocou polêmica com movimentos em defesa dos negros.

Leia também:
Justiça suspende nomeação de presidente da Fundação Palmares
'Negro de direita', reverenda e músico conservador; quem são os novos nomes da cultura sob Bolsonaro

A liminar que determinou a suspensão de sua nomeação cita trechos de suas publicações nas redes e seguiu protestos realizados na sede da fundação.

Em seu perfil no Facebook, Camargo se define como "Negro de direita, contrário ao vitimismo e ao politicamente correto". Ele já afirmou, em sua conta, que o Brasil tem "racismo nutella" e que "racismo real existe nos EUA".

Camargo, que usa a rede social com frequência, também escreveu que a escravidão foi terrível "mas benéfica para os descendentes".

veja também

comentários

comece o dia bem informado: