Deputado federal João Campos
Deputado federal João CamposFoto: Brenda Alcântara/Folha de Pernambuco

O deputado federal João Campos (PSB) entrou com um pedido para a criação de uma comissão externa na Câmara Federal para evitar novas tragédias em 88 barragens. O objetivo vai ser cobrar e acompanhar um plano de segurança para a desativação e o descomissionamento dessas barragens, que foram construídas no modelo alteamento a montante ou desconhecido. Metade delas representa alto potencial de dano, o que faz o trabalho da comissão se tornar urgente para evitar a possibilidade de novos desastres à população que vive nas áreas de risco.
  
“Sou engenheiro civil por formação e sei que esse método de construção é ultrapassado, que coloca em risco a vida de muita gente. Temos que garantir a proteção de quem corre o risco mesmo em áreas de barragens completamente inativas. A barragem que rompeu em Brumadinho, por exemplo, já estava desativada e, mesmo assim, perdemos vidas em decorrência do rompimento”, afirmou João Campos.

Leia também:
Sivaldo Albino assume vice-liderança do governo
Paulo Câmara se reúne com ministro Gustavo Canuto
Professor Paulo Dutra assume Comissão de Educação


O requerimento da comissão externa deve entrar na pauta de votação do plenário. Sendo aprovado, o grupo de parlamentares é composto.

O método de alteamento a montante é o mesmo usado nas barragens de Brumadinho e Mariana, tem custo menor de implantação, mas é ultrapassado e, por isso, é mais propenso a acidentes. Quase a metade dos acidentes com barragens ocorridos no final do século XX e início do século XXI envolveu estruturas construídas por esse modelo.

Em Minas Gerais, incluindo a tragédia de Brumadinho, há o registro de 6 graves acidentes desde 1986.

Além da desativação, o processo de descomissionamento das barragens pode causar riscos e danos potenciais se não for feito da forma apropriada. O descomissionamento implica na eliminação definitiva da barragem, com recuperação do solo e reintegração da área ao meio ambiente.

A comissão externa terá o papel de avaliar os procedimentos de licenciamento ambiental e de segurança à população. A Vale, por exemplo, anunciou o descomissionamento de todas as suas 10 barragens feitas pelo método de alteamento a montante. A empresa estima concluir o trabalho em 3 anos, sendo necessário todo o acompanhamento técnico desse processo.

Outras 4 ações também estão sendo tomadas pelo deputado João Campos em relação ao setor de barragens: Requerimento sugerindo ao Ministério do Desenvolvimento Regional a priorização da execução do orçamento da União para a reabilitação de barragens e de outras estruturas hídricas (são 26 barragens desse tipo só em Pernambuco, incluindo Jucazinho, que terá as obras retomadas); Solicitação para criação de uma comissão externa que acompanhe a execução do Plano Nacional de Recuperação de Barragens; Pedido de informação ao Ministério do Desenvolvimento Regional sobre as providências adotadas pelo Governo Federal em relação ao rompimento da barragem de Brumadinho; Requerimento de sessão solene em homenagem aos bombeiros e profissionais responsáveis pelos trabalhos de resgate das vítimas do desastre em Brumadinho.

Trabalho coletivo


Paralelamente, vão estar ocorrendo movimentos no legislativo para sugerir a proibição desse método construtivo considerado ultrapassado ou até para sugerir a implementação de outros métodos em detrimento desse. A bancada federal do PSB na Câmara ingressou com um projeto de lei que trata de temas em relação à política nacional de segurança de barragens. Mas o Congresso Nacional deve acompanhar a desativação e descomissionamento através da comissão externa.

Havendo possibilidade de contribuição, outras ações voltadas às barragens e que estejam ocorrendo nos legislativos estaduais podem ser apresentadas à comissão externa na ocasião das visitas in loco a regiões de interesse.

comece o dia bem informado: