O aumento pode ser aprovado pelo Senado, nesta quarta-feira (7)
O aumento pode ser aprovado pelo Senado, nesta quarta-feira (7)Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

O Senado Federal pode aprovar nesta quarta-feira (7) projetos de lei que aumentam o salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de R$ 33 mil para R$ 39 mil, mesmo valor que seria estabelecido para o cargo de procurador-geral da República.

Os reajustes podem levar a um aumento cascata para juízes, procuradores, promotores e parlamentares de todo o país, no que seria a primeira pauta-bomba armada para o governo de Jair Bolsonaro, segundo o senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES). "Não se trata de um busca-pé. É um míssil Exocet", diz ele. "O impacto nas contas públicas nacionais será de cerca de R$ 6 bilhões por ano. É uma covardia com o povo brasileiro", completa.

A proposta, que já tinha sido aprovada na Câmara dos Deputados, estava parada na Comissão de Assuntos Econômicos desde 2016. Ferraço foi o relator da matéria e deu um voto contrário ao aumento. O presidente eleito Jair Bolsonaro já se pronunciou sobre o tema nesta quarta, afirmando que "não é o momento de aumentar salário do Judiciário".

Leia também:
Fachin envia novo pedido de habeas corpus de Lula para 2ª Turma do STF
Endurecimento da lei antiterrorismo tem votação adiada no Senado
Senado articula derrubar patente de medicamento contra hepatite C
Em 2017, salário médio dos homens foi 17% maior do que o das mulheres
Guedes fala em prensa no Congresso para aprovar atual reforma até fim do ano


Na noite de terça (6), o presidente do Senado, Eunício de Oliveira, colocou em votação no fim da sessão do plenário um requerimento pedindo a inclusão dos dois projetos na pauta do Senado ainda nesta quarta (7). A iniciativa de Oliveira pegou de surpresa e contrariou vários senadores. Eles acham que o presidente forçou a votação sem aviso prévio.

"Em oito anos que estou no Senado, nunca vi nada parecido: um presidente avocar uma matéria para ir ao plenário sem conversar com a comissão em que ela tramita", afirma Ferraço. Para ele, conceder o aumento é "uma total irresponsabilidade no momento de crise que atravessamos nas finanças públicas. Como estados quebrados como Minas Gerais, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul vão fazer frente a esses reajustes, que certamente virão?", questiona ele.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: