UFPE
UFPEFoto: Divulgação

Nos próximos dias 27 e 28, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o Movimento de Policiais Antifascismo realiza seu 1° Congresso Nacional após uma série de debates, diálogos e reflexões acerca da necessidade dos policiais do campo progressista e movimentos sociais buscarem intersecções na luta por uma segurança pública não fascista e democrática. entre os convidados do evento estão os deputados federais, Marcelo Freixo e Maria do Rosário, o vice-presidente do PDT, Ciro Gomes, entre outros nomes.

Segundo representantes do movimento, o grupo busca caminhos que apontem para a defesa do policial como trabalhador e que convide a sociedade a se apropriar das forças de segurança exigindo um sistema de segurança pública e suas instituições policiais na defesa dos Direitos Humanos, da vida e da democracia para todos e todas.

Participam da mesa de abertura o Presidente da Federação Nordestina de Trabalhadores Policiais Civis (Feipol-NE) e do Sinpol-PE, Áureo Cisneiros e o Delegado de Polícia do Rio de Janeiro, Orlando Zaccone.

Movimento de Policiais Antifascismo - surgiu em 2016, a partir do encontro de policiais civis (estaduais e federais) e militares com guardas municipais, agentes penitenciários e bombeiros, visando a construção de um projeto democrático de segurança pública para o país. A experiência do Coletivo Sankofa, da Bahia, foi o paradigma para o início do movimento, que tem como premissa fundamental a necessidade da inclusão destes profissionais na pauta política, através do seu reconhecimento como trabalhadores e da sua identificação com os demais trabalhadores do setor público e privado, na contramão do paradigma hegemônico de oposição entre polícia e sociedade.

O debate sobre modelos de segurança pública tem preterido a participação dos policiais, colocando os agentes das forças de segurança como operadores de modelos técnicos, construído por “especialistas”. A hierarquização das corporações policiais historicamente tem contribuído muito para isso, cabendo às cúpulas das polícias o contato com o poder político-jurídico e restringindo as bases ao árduo trabalho de efetivar políticas de segurança militarizadas, que retiram a sua dignidade, expondo as suas vidas e embrutecendo o exercício das suas funções de policiamento, investigação e prevenção.

1° Congresso Nacional dos Policiais Antifascismo - Tem por objetivo dialogar com a sociedade e o poder político para definir uma pauta mínima propositiva para a formulação de um modelo democrático de segurança pública para o Brasil. Pretendemos assim contribuir para o debate nacional que urge reformular o atual modelo militarizado e bélico.

Os Policiais Antifascismo pretendem contribuir para o debate de uma nova política de segurança democrática, juntando-se aos setores políticos progressistas, que apontam para a necessidade de mudança dos atuais modelos.

Programação:

Dia 27 (segunda-feira):

Mesa 1 (10h) – Sistema penal e segurança pública frente às opressões e ataques aos direitos.

Palestrantes: Fabricio Rosa (Policial Rodoviário Federal de Goiás); Kleber Rosa (Policial Civil da Bahia); Luciana Rocha (Guarda Civil Municipal de Canoas – RS).

Mesa 2 (14h30) – Reestruturação das polícias (desmilitarização; carreira única, ciclo completo, fim do inquérito policial, municipalização das polícias).

Palestrantes: Luiz Eduardo Soares (antropólogo e cientista político); Denilson Neves (policial civil da Bahia); Hildebrando Saraiva (policial civil do Rio de Janeiro); Ricardo Balestreri (Ex-Secretário Nacional de Segurança Pública); Alex Agra (graduando em Ciência Política na UFBA).

Coquetel de abertura (18h30)

Mesa de abertura (19h) – Desafio político para a construção de uma política de segurança pública democrática para o Brasil.

Palestrantes: Áureo Cisneiros (Presidente do SINPOL-PE e da FEIPOL-NE); Orlando Zaccone (Delegado de polícia civil RJ); Marcelo Freixo (deputado federal); Ciro Gomes (Vice-Presidente do PDT) e Maria do Rosário (deputada federal);

DIA 28 DE MAIO (terça-feira):

Mesa 1 (8h) – A condição do trabalhador policial (cultura profissional; negação de direitos; saúde mental; suicídio e morte por armas de fogo).

Paletrantes: Patrícia Constantino (Pesquisadora em saúde pública da Fiocruz); Dayse Assunção Miranda (Coordenadora do Grupo de Estudo Pesquisa em Suicídio GEPeSP/UERJ); Daniel Evangelista (Policial Rodoviário Federal); Dalchem Viana (policial bombeiro militar - RN).

Mesa 2 (10h30) – O necessário encontro dos trabalhadores policiais com os Movimentos Sociais para a construção de um novo modelo de segurança pública.

Palestrantes: Alexandre Félix (Policial civil – SP); Rafael Cavalcanti (Policial Civil-PE, Vice-presidente do Sinpol-PE, membro da Executiva Nacional da Intersindical); Jô Cavalcante (co-deputada estadual PE – Juntas); Edna Jatobá (Conselheira do Gajop).

Plenária final (14h).

comece o dia bem informado: