Castro: aplicativo permite pirâmides de informações falsas
Castro: aplicativo permite pirâmides de informações falsasFoto: Divulgação

A 12 dias do segundo turno das eleições presidenciais, o Conselho Consultivo sobre Internet e Eleições do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) reuniu-se com representantes do WhatsApp para discutir medidas técnicas que possam ser tomadas para mitigar a risco do aplicativo de troca de mensagens se tornar uma arma de divulgação de notícias falsas. Documento elaborado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br) e pela Safernet Brasil, organizações que integram o Comitê, foi protocolado no TSE no início da tarde desta quarta-feira (16), e apresentado na reunião.

Dentre as medidas técnicas propostas no documento estão: reduzir de 20 para 5 o número de mensagens que podem ser encaminhadas simultaneamente; indicar ao destinatário se a mensagem foi repassada ou criada originalmente por quem a enviou; reduzir 9.999 para 499 o número de grupos que podem ser criados por um único usuário; limitar a participação de um usuário em diferentes grupos (hoje é ilimitado); e limitar o encaminhamento de vídeos e áudios até a eleição.

A segunda iniciativa trata sobre medidas relacionadas à veracidade das informações compartilhadas pelos usuários. Para os integrantes do Conselho, o WhatsApp deveria implementar medidas que possibilitassem a verificação de informações em sua plataforma, assim como foi feito pelo Facebook. "O WhatsApp é parte integrante da ferramenta de comunicação dos brasileiros e a integridade de seu conteúdo é fator fundamental para garantir que as pessoas possam continuar a confiar e usar a plataforma", diz o documento assinado por Thiago Tavares, da Safernet Brasil, e Danilo Doneda, da CGI.br. "É hora de olhar para o futuro e fazer o nosso melhor sob as circunstâncias que enfrentamos".

"Ao contrário das redes sociais tradicionais, como o Facebook, ou mesmo das páginas de internet, onde você acaba chegando ao autor de uma forma rápida, no WhatsApp um único celular, consegue participar de 9.999 grupos com 256 contatos (2.559.744 mensagens). Ou seja, em poucos segundos, cria-se uma pirâmide de informação falsa. Isso tudo fica muito difícil de mapear", declarou Luiz Fernando Martins Castro, suplente indicado pelo Comitê Gestor da Internet no Conselho do TSE, em entrevista à Rádio Folha.

Nesta quarta (17), a ministra Rose Weber deve se reunir com representantes das campanhas dos presidenciáveis Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL) para tratar sobre o tema das fake news.

assuntos

comece o dia bem informado: