Fogo Cruzado

Inaldo Sampaio

ver colunas anteriores
Inaldo Sampaio
Inaldo SampaioFoto: Colunista

O governador Paulo Câmara vai enfrentar dificuldades para fechar sua chapa majoritária por excesso de pretendentes às duas vagas do Senado. Uma já estaria reservada para Jarbas Vasconcelos, conselheiro político do governador e “irmão mais velho” dos aliancistas. Ele vai ocupar o espaço deixado pelo vice-governador Raul Henry, que é candidato a deputado federal. A segunda vaga está sendo cobiçada pelo deputado estadual André Ferreira (PSC), pelos deputados federais Luciana Santos (PCdoB) e Eduardo da Fonte (PP) e pelo ex-prefeito de Caruaru, José Queiroz (PDT). Curiosamente, não há ninguém do PSB batalhando por essa vaga, o que significa dizer que o partido não terá representantes de Pernambuco no Senado. Elegeu Fernando Bezerra Coelho em 2014, mas ele se transferiu para o MDB. Dos quatro que aspiram à segunda vaga, o que está mais cacifado para brigar por ela é Eduardo da Fonte, campeão de votos em Pernambuco nas três últimas eleições. Ele tem o controle do PP, uma bancada de 14 deputados estaduais e de dois federais, 50 candidatos à Assembleia Legislativa e o apoio do PR que é presidido regionalmente pelo deputado Sebastião Oliveira, gesto interpretado como uma “alfinetada” na pré-candidatura de André Ferreira, irmão do prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PR), com quem o ex-secretário dos transportes não se dá. Da Fonte construiu as condições políticas para entrar na chapa, e para tirá-lo da disputa só por meio de um “tsunami”.

O cacife de João Paulo
Maior líder popular do Recife, o ex-prefeito João Paulo (ex-PT), agora no PCdoB, está cotado na Frente Popular para a vaga de vice. Ele reforçaria eleitoralmente a chapa, pois como candidato a prefeito da capital em 2016 obteve, quase só, 40% dos votos válidos. Quem deverá sobrar nesta aliança é Humberto Costa (PT) pelo excesso de candidatos a senador.

Quem decide? >
Humberto Costa disse no Recife que a aliança do PT com o PSB em PE está sendo costurada pelos presidentes nacionais dos dois partidos, Gleisi Hoffmann e Carlos Siqueira, o que é verdade. Mas Gleisi diz o contrário: isso é problema das direções regionais.

Ordem unida > Odacy Amorim (PT) gostaria de disputar novo mandato de deputado estadual, para ficar mais perto de Petrolina, cuja prefeitura continua no seu itinerário, mas o comando nacional do PT o pressiona para disputar uma vaga na Câmara Federal.

A presença > Assim que soube, domingo passado, que a barragem de Serro Azul (Palmares) estava recebendo muita água, ressuscitando o fantasma das cheias passadas, o secretário Guilherme Rocha (Recursos Hídricos) deslocou-se para a região. Visitou Palmares, Catende e Jaqueira para conferir, “in loco”, como estava o leito do rio Una. Viagem de solidariedade.

A hierarquia > O PT não admite outro candidato a presidente da República que não Lula, e já definiu sua escala de prioridades nas próximas eleições: Lula, candidatos a deputado federal, candidatos ao Senado, candidatos a governador e, por último, candidatos a deputado estadual. Já o PSB elegeu como prioridades as reeleições de Paulo Câmara (PE) e Márcio França (SP).

veja também

comentários

comece o dia bem informado: