Ministro da Defesa, Raul Jungmann
Ministro da Defesa, Raul JungmannFoto: Divulgação

Ao participar nesta quarta-feira (26) da VI Conferência Internacional de Segurança, que acontece em Moscou, na Rússia, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, se colocou favoravelmente à proibição do uso de armas nucleares por qualquer país.

"A comunidade internacional já baniu as armas químicas e biológicas, não há razão para não banir a única capaz de aniquilar a vida na Terra. Seria uma medida corajosa para corrigir perigosa lacuna normativa na construção de um mundo mais seguro. Para o Brasil, o desarmamento nuclear, mais do que uma opção estratégica, constitui um imperativo moral”, afirmou Raul Jungmann.

O ministro participou no evento, da mesa redonda que discutiu o tema "Segurança Global: desafios do século XXI".

O debate reuniu ainda, num mesmo momento, os ministros da Defesa da India, Arun Jaitley; do Irã, Houssein Dehghan; do Casaquistão, Saken Zhasuzakov; do Paquistão, Kahawaja Mohammad; e do Afeganistão, Khamid Karzai.

Ainda no evento, Raul Jungmann externou a solidariedade do Brasil às vítimas do atentado no metrô de São Petesburgo.

“O Brasil reitera sua posição de veemente repúdio ao terrorismo. A prevenção e o necessário combate a esse perverso fenômeno, que busca no ódio insano a inspiração para atingir os mais caros valores das sociedades democráticas, é dever de todas as nações livres”, afirmou. 

assuntos

comece o dia bem informado: