Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
Alckmin e Bruno Araujo
Alckmin e Bruno AraujoFoto: Mauro Filho/ PSDB-PE

A previsão inicial era de que toda a chapa majoritária das oposições estivesse presente. O evento, marcado para as 19h de hoje na casa de shows Zé Matuto, em Petrolina, foi programado pelo grupo dos Coelho para ser o maior ato político da campanha no Sertão. O deputado federal Fernando Filho definiu a ideia da seguinte forma: “A insatisfação do povo sertanejo será emblemática nesse processo de transformação nos rumos do Estado. Por isso queremos fazer desse grande ato em Petrolina a arrancada para a vitória das oposições”. Refere-se aos lançamentos de sua candidatura à reeleição e da postulação de seu irmão, Antônio Coelho, à Assembleia Legislativa. Antonio reforçara a simbologia do ato: “A energia do povo sertanejo vai contagiar o Estado e sairemos daqui todos mais unidos para construir a vitória junto com o povo do Agreste, Zona da Mata e região metropolitana”. Apesar disso, o senador Armando Monteiro Neto, que encabeça a chapa da coligação Pernambuco Vai Mudar, não estará presente. Ele não emitiu justificativa oficial, mas auxiliares confirmaram que ele não poderá comparecer. Como a coluna cantara a pedra, o presidenciável Geraldo Alckmin desembarca em Pernambuco, hoje, no final da tarde, para prestigiar a referida agenda. Na chapa das oposições, os dois candidatos ao Senado, Mendonça Filho e Bruno Araújo, tem ligação direta com o tucano. O democrata atuou como bombeiro diante do alarme de incêndio que instalou-se nas hostes oposicionistas quando Bruno chegou a devolver a indicação ao Senado, externando incômodo com a condução que Armando imprimira ao processo. Resultado: o petebista assinou nota, realçando a abertura de seu palanque a Alckmin. Embora o PTB nacional tenha estado entre os primeiros partidos a apoiar o candidato paulista ao Planalto, no Estado, Armando já pisou e repisou seu compromisso com o ex-presidente Lula, a quem visitou recentemente.

Qualquer semelhança
Presidente estadual do PP, Eduardo da Fonte, à coluna, descarta que tenham sido coordenados os seguintes movimentos recentes do partido que geraram ruídos na Frente Popular: formação de uma chapinha para federal, que incomodou socialistas, o ato, em Águas Belas, comandando pelo ex-prefeito Numeriano Martins, que declarou apoio a Armando Monteiro, e a decisão partidária de apoiar Bruno Araújo para o Senado.

Chapa incompleta >
"A única coisa oficial do partido é votar em Paulo Câmara, Humberto Costa e em Bruno Araújo. As demais posições são locais", minimiza Eduardo da Fonte.

Acalmou-se > Nos corredores do Palácio das Princesas, faz-se uma leitura de que o dirigente progressista irritou-se com o debate da suplência, mas que as coisas já foram saneadas.

Em Garanhuns > Na sede da Associação Garanhuense de Atletismo, o prefeito Izaías Régis reuniu, anteontem, vereadores e lideranças de seu grupo político para dar start na campanha pela reeleição de Álvaro Porto e pela eleição de Silvio Costa Filho para a Câmara dos Deputados.

Happy hour >
O governador Paulo Câmara deve se encontrar com a presidenciável Manuela D’Ávila no final da tarde de hoje. Ela estará na inauguração do comitê de João Paulo.

Cartilha > O Instituto de Direito Eleitoral e Público de Pernambuco (Ideppe) lança cartilha com orientações jurídicas para Eleições 2018. O material, que estará disponível a partir de hoje, foi elaborado pela advogada Diana Câmara. A publicação será disponibilizada no site do Ideppe.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: