Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
João Paulo já sinalizou que não vai disputar o mesmo espaço com Gleide Ângelo
João Paulo já sinalizou que não vai disputar o mesmo espaço com Gleide ÂngeloFoto: Divulgação

O deputado estadual João Paulo encontrou-se recentemente com Gleide Ângelo no corredor da Assembleia Legislativa e quis saber se ela ia concorrer à Prefeitura de Jaboatão. Ela devolveu que não tinha nada definido sobre 2020 e ele, bem-humorado, brincou: "Você se decida, porque eu preciso resolver minha vida". Leia-se: O PCdoB tem planos majoritários, mas não vai, de forma alguma, para o confronto com o PSB. No partido, ainda não se fala de estratégias abertamente, mas, entre comunistas, nos bastidores, uma coisa é dada como certa: com o prefeito Professor Lupércio, o PCdoB não caminhará, embora o partido dele, o Solidariedade, também seja da base do governador Paulo Câmara. O PCdoB admite apoiar uma postulação socialista lá, mas, caso os socialistas não lancem um nome, os comunistas terão uma candidatura para fazer frente ao atual gestor, mesmo que não seja um nome do PCdoB. Indagado pela coluna sobre o episódio com Gleide e sobre as perspectivas para o ano que vem, João Paulo minimiza: "O que existe é a militância de Olinda e Jaboatão querendo que eu seja candidato. E, por outro lado, um saudosismo muito grande dos militantes de Recife e de pessoas que não são militantes". Pelo diálogo que teve com Gleide, João Paulo já sinalizou que os dois não disputarão o mesmo espaço. O PCdoB não tem como definir onde Gleide vai disputar, mas comunistas, já há algum tempo, julgam "muito improvável" que venham a compor com Lupércio. Governistas apontam, em conversas reservadas, tendência maior de Gleide concorrer em Jaboatão, até porque o Palácio das Princesas contou com apoio do prefeito de Olinda em 2018. Em Jaboatão, o prefeito, Anderson Ferreira, é de oposição.

Anticrime x Previdência
A presidente nacional do PCdoB, Luciana Santos, identifica uma "queda de braço" do ministro Sérgio Moro com Paulo Guedes. "Há uma certa disputa por protagonismo", pondera Luciana, após considerar "mais do que justo" o tom recente adotado por Maia em relação a Moro. Ela falou em entrevista à Rádio Folha FM 96,7.

Só observo > "Ele anunciou o pacote anticrime antes mesmo da Previdência nessa perspectiva de disputar um certo protagonismo", observa Luciana Santos, que estava lá, na ocasião, representando o governador Paulo Câmara.

Elogio > Luciana Santos telefonou, na última sexta-feira, para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e o convidou para o ato que marcou os 97 anos do PCdoB ontem. Tratou de parabenizá-lo pela entrevista concedida ao Estadão, na qual afirma que o governo Bolsonaro é um "deserto de ideias".

Sintonia > Ontem, em entrevista à Transamérica, Paulo Câmara seguiu a mesma linha do presidente da Câmara: "A gente vê um início de governo muto confuso por parte da União: sem foco, sem meta, sem planejamento de longo e médio prazo".

Privatizações > Silvio Costa Filho propôs, na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, que o secretário especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia, Salim Mattar, seja convidado para debater o Plano de Governo para concessões, privatizações e PPPs em audiência pública.

Esmiuçando > Uma das deliberações da audiência sobre a Reforma da Previdência, ontem, na Câmara do Recife foi reativar a frente criada para combater o texto a ser analisado no Congresso.
Os vereadores vão esmiuçar os malefícios. Como a coluna cantou a pedra, o ato reuniu Humberto Costa e Marília Arraes.

veja também

comentários

comece o dia bem informado: