Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
Aras e Humberto
Aras e HumbertoFoto: Pedro Ladeira/Folhapress-Jefferson Rudy/Ag Senado

Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para o cargo de procurador-geral da República, Augusto Aras, para ser efetivado no cargo, terá que passar por sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e ainda ser aprovado em votação no plenário. Em busca de apoio, Aras iniciou uma série de visitas aos senadores e, hoje, tem encontro marcado com um dos três representantes de Pernambuco na Casa Alta, o senador Humberto Costa. O petista é um dos integrantes da CCJ. "Vamos ouvir quais são os planos dele para a Procuradoria Geral da República", pontua Humberto Costa. O pernambucano já havia manifestado posição crítica em relação ao procedimento adotado pelo presidente da República, que foge da prática que o PT aplicou ao longo de seus governos de respeitar a lista tríplice. "Sempre escolhemos o mais votado, integrante dessa mesma lista e isso sempre foi um gesto de reconhecimento da autonomia e da independência do Ministério Público. O presidente Bolsonaro mudou esse tipo de critério, desrespeita essa prática assumida ao longo do tempo, mas, de toda sorte, nós vamos ouvir as opiniões, as razões do procurador", registra Humberto Costa.

Na análise dele, a prática da lista tríplice " garantiu interferência zero nas ações do Ministério Público". Agora, grifa ele, "o que se diz é que o presidente escolhe fora da lista para impedir que determinados processos caminhem". De antemão, Humberto acena com alguns pontos que o preocupam, a exemplo de manifestações que o procurador fez "sobre o tema do desarmamento, sobre o tema da Reforma Agrária, sobre a questão ambiental e os indígenas". Humberto, no entanto, assegura que não fará qualquer tipo de de "pré-julgamento". Primeiro, vai à mesa com Aras, hoje.

 

Benção coletiva
O subprocurador da República Augusto Aras também participou, ontem, da reunião do colégio de líderes do Senado, do qual faz parte, naturalmente, o senador Fernando Bezerra Coelho, líder do governo. Assim como Humberto Costa, FBC integra a CCJ.
Lacuna > Até ontem, não havia encontro com Aras na agenda do senador Jarbas Vasconcelos. Aras estaria priorizando integrantes da CCJ. A passagem do subprocurador pelo colégio de líderes foi resultado de convite do presidente da Casa, Davi Alcolumbre, a quem Aras disse que tem disposição de visitar os 81 senadores.
Etanol 1 > Em meio ao debate sobre a portaria do Ministério da Economia que amplia a cota de importação do etanol dos EUA com isenção de tarifa, a edição de um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) capaz de sustar o efeito da medida foi à pauta.
Etanol 2 > A articulação envolveu, entre outros, o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, e o deputado federal Augusto Coutinho. A urgência do projeto foi à votação, o que anula necessidade de o mesmo passar por comissões. Coutinho esteve entre os que assinou o pedido de urgência.
Day after> Em meio às urnas apuradas do PED, Humberto Costa citou vitória do seu grupo em algumas cidades como Olinda e Petrolina. Na primeira, a liderança era da deputada Teresa Leitão. Agora, é possível que o partido trabalhe pela volta de Marcelo Santa Cruz, que deixou a legenda por divergências com Teresa, segundo petistas relatam.
Contra o veto > A OAB-PE promove hoje, às 18h, na sede da entidade, um ato contra o veto de Jair Bolsonaro à Lei de Abuso de Autoridade. O objetivo é mobilizar a classe para preservar na lei a parte que criminaliza quem viola as prerrogativas da advocacia e somar esforços na tentativa de convencer a bancada pernambucana no Congresso Nacional a derrubar o veto. 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: