Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
Presidente do PDT, Carlos Lupi
Presidente do PDT, Carlos LupiFoto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Socialistas têm chamado, em conversas reservadas, de "chafurdação" o movimento do PT de ensaiar uma candidatura própria na capital pernambucana depois de já ter esticado a corda em 2018 até definir o apoio ao PSB no Recife. Logo depois dos acenos do ex-presidente Lula, feitos a Marília Arraes em jantar oferecido por ela, integrantes do PSB cuidaram de emitir sinais comuns no sentido de que "o que o PT vai fazer é problema dele".

Enquanto muitos socialistas falaram nas coxias, o prefeiturável João Campos, indagado se trabalharia pelo apoio de Lula, em entrevista recente à Rádio Folha FM 96,7, recorrera ao preto no branco e cravara: "O PSB tem clareza do projeto, tem um projeto, tem uma gestão que tem executado ações relevantes, num momento de crise, pelo Recife, tem um enredo, tem toda uma construção e está muito claro como o PSB vai se comportar no próximo ano". João, na ocasião, arrematara: "O PT tem que fazer avaliação interna do que eles querem. O PSB sabe o que quer". Traduzira, assim, o sentimento majoritário que circula nos bastidores. Ao PDT, a falta de paciência dos socialistas não tem passado batida. Pedetistas estão cientes de que o PSB, agora, está disposto "a contar os votos". Leia-se: socialistas têm repetido, em conversas reservadas, o seguinte sobre o fator Marília Arraes: "Vamos contar os votos". Em outras palavras, avaliam que, mais do que em 2018, estão dispostos a pagar para ver, na abertura das unas, o potencial da petista. Em 2018, o PT retirou a candidatura dela do páreo para apoiar o governador Paulo Câmara. Mas deu trabalho antes. Em meio ao novo "moído" entre PT e PSB, que tem, em Pernambuco, representatividade das mais fortes, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, fez uma visita ao presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, na semana passada. Na pauta, costuras para 2020. Mas 2022 passa pelos resultados do ano que vem. 

Lupi e Siqueira à mesa
Após encontro com Carlos Siqueira, Carlos Lupi, em seu Instagram, registrou que os dois se reuniram, para "avaliar o momento político e aproximar as duas legendas já para os próximos pleitos". Antes, na mesma legenda, realçara: "Como diz o ditado: 'A união faz a força'".
As quatro > Na reunião do diretório nacional do PDT, na última sexta-feira, Carlos Lupi relatou ter procurado o presidente do PSB, quando as duas siglas referendaram uma construção que inclui PSB, PDT, PV e Rede, mirando 2020.
A conta > As quatro legendas conversam em busca de trabalharem alianças no máximo de municípios possível no ano que vem.
Vou não > Líder do PT no Senado, Humberto Costa não vai participar da reunião que o presidente da Casa Alta, Davi Alcolumbre, marcou para a manhã de hoje com senadores e deputados a fim de chegar a um consenso sobre a 2ª instância.
Interesse não > “Não tenho interesse de participar da reunião. Esse assunto diz respeito ao parlamento. O encaminhamento, se for esse de tramitar a emenda da Câmara
(PEC 199/19) é até mais coerente", argumenta Humberto Costa.
Quero não > O PT não é favorável à tese. No Senado, Humberto Costa apresentou pedido de vista do projeto de lei
que busca, através de mudança no Código de Processo Penal, regulamentar a execução provisória após condenação em 2ª instância.
calma > Sobre Gleisi Hoffmann ter defendido candidatura de Marília Arraes no Congresso do PT, Humberto pontua que isso vai demandar um "debate, uma construção, consulta aos filiados". 

 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: