Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
Carlos Lupi e João Campos
Carlos Lupi e João CamposFoto: divulgação

Não só o governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Julio receberam o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, no Palácio das Princesas na manhã de ontem, onde, como a coluna antecipou, um café da manhã foi oferecido ao pedetista. O deputado federal João Campos, pré-candidato a prefeito do Recife, também foi à mesa com o dirigente. Lupi não poupou elogios a João no encontro reservado. Cuidou de realçar gestos recebidos do herdeiro de Eduardo Campos. À coluna, Lupi relatou um deles. "Em janeiro, eu estava viajando. Cheguei, agora, terça-feira, tinha umas coisas de lembrancinhas que me deram e um vinho. E tinha um cartão", narrou Lupi, dizendo que estava acompanhado, na ocasião, do pré-candidato à Prefeitura do Recife pelo PDT, Túlio Gadêlha. Túlio sugeriu que ele abrisse primeiro o cartão. "De João Campos, para meu amigo Lupi", leu o dirigente em voz alta. E exclamou ao correligionário: "Isso é um danado, ele chega na frente!". Ao relatar o episódio, Lupi observou o seguinte: "Eles se dão bem". Referia-se a Túlio e a João.

À coluna, Lupi, ainda sobre João, arrematou: "Ele tem futuro, porque ele sabe chegar. Ele não é bobo, tem posição, tem o melhor pernambuquês, o sotaque dele...". Lupi, no entanto, assegura que Túlio é melhor candidato que Marília Arraes e que João Campos. Por que? "Ele é o mais preparado com mais base popular. Túlio rompe com o que chamo de tradição conservadora, que é manter o mesmo núcleo no poder", devolve. E acrescenta: "Túlio é de origem popular, alguém forjado na luta". Na noite de ontem, ao lançar seu livro "Um golpe contra os trabalhadores" na Livraria Jaqueira, enquanto falava à plateia que incluía Paulo Câmara, Geraldo Julio e João Campos, Lupi recebeu um telefonema. Era Túlio Gadêlha do outro lado da linha. "É o Túlio, vou dizer que estou com João", brincou Lupi e atendeu: "Oi, Túlio, estou aqui com João Campos no lançamento do livro". Brincadeiras e acenos à parte, o PDT segue na gestão socialista ocupando espaços e Lupi descarta fechar as portas com o PSB. "Por que vou fechar? É uma eleição de dois turnos", argumenta. O momento, como diz o próprio Lupi, é de "gastar saliva, sola de sapato e milhagem de avião". A conferir.

 

Fala, João! 
João Campos diz que a sede do PDT, em Brasília, é bem pertinho da Câmara Federal e, por isso, vez por outra, ele vai lá bater um papo com Carlos Lupi. Gera incômodo o PDT estar trabalhando um pré-candidato? "Incômodo nenhum", devolve João, à coluna.
Escalação > João Campos diz ainda: "Esse é o momento onde todos os partidos escalam seus jogadores. Faz parte do jogo colocar seus quadros à disposição. É um movimento normal".
Fala, Túlio ! > Túlio Gadêlha, ao ser indagado sobre a gestão Geraldo Julio, em entrevista à Rádio Folha FM 96,7, assinalou o seguinte: “Ele não é um mau gestor, mas faz muito mais propaganda do que benfeitorias na cidade”.
Líder > Sobre Wolney Queiroz ser líder do PDT na Câmara, Carlos Lupi acena: “Todo caminho leva para o líder ser Wolney”. E diz que, até final do mês, se reúne, com a bancada para discutir o tema. 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: