Folha Política

Renata Bezerra de Melo

ver colunas anteriores
Deputado federal Silvio Costa Filho (Republicanos)
Deputado federal Silvio Costa Filho (Republicanos)Foto: Divulgação

Alinhado à proposta do presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia, de cortar salários de servidores públicos, incluindo parlamentares, o deputado federal Silvio Costa Filho (Republicanos) defende que é preciso “cortar na carne”.

“É hora do sacrifício de todos nós do poder legislativo, do poder executivo, do poder judiciário. Eu acho que todos nós precisamos também cortar na carne e poder avançar na direção que o Brasil precisa. O Governo Federal tem apresentado um conjunto de medidas importantes, mas a gente precisa ter um olhar não só para a área econômica, para o setor produtivo, para o mercado, a gente precisa dar o mínimo de tranquilidade às empresas para sobrevirem nesses próximos três meses mas, a gente tem que ter também um olhar para a seguridade social”, pontuou Silvio.

Como a coluna antecipou na última sexta-feira (20), Rodrigo Maia já vinha defendendo a possibilidade de cortes nos salários dos políticos em conversas reservadas, via consultas a líderes.

Na esteira, Maia passou a defender a criação de um Orçamento de crise, que ele definiu como “orçamento de guerra”, para auxiliar nos impactos causados pela COVID-19. A ideia é que , por meio de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), seja criado um “regime extraordinário de contratações”. Maia argumenta que isso vai evitar que os gastos feitos durante a pandemia se tornem permanentes ou contaminem gastos futuros. O orçamento proposto pelo presidente da Câmara seria diferente do orçamento fiscal aprovado no fim do ano passado pelo Congresso Nacional.

Nesta terça-feira (24), o presidente da Câmara Federal reafirmou a necessidade de haver um corte de até 20% no salário dos servidores públicos, exceto os que recebem um salário menor que os demais e os que estão envolvidos diretamente no combate ao coronavírus.

Outro ponto abordado por Silvio Costa Filho foi a destinação do fundo eleitoral para a área da Saúde. De acordo com ele, caso as eleições deste ano não sejam adiadas, os candidatos não terão como realizar suas campanhas, já que as empresas privadas não podem mais fazer doações para partidos ou candidatos políticos. Muitos parlamentares e parte da sociedade se manifestaram favoráveis à medida de abrir mão do fundo eleitoral. Silvio Costa Filho vê “populismo”.

“Eu tenho visto alguns deputados fazendo um certo populismo em relação ao fundo eleitoral. Eu até concordo se nós não formos ter eleições esse ano e as eleições forem ficar para 2022 como muitos deputados e senadores já defendem a gente deve destinar o fundo eleitoral, sem dúvida alguma ,para ajudar o combate ao coronavírus. Tem uma diferença entre o sonho e o mundo real, esse é o custo da democracia”, colocou.

Silvio Costa Filho também defende o adiamento das eleições municipais de 2020. Para o parlamentar, a medida traria economia para os cofres públicos e chama a atenção para o que é considerado por ele como populismo por parte de alguns de seus pares sobre o assunto.

“Eu defendo que as eleições possam ser unificadas, sempre defendi isso. Acho que a gente deve trabalhar para ter as prorrogações de mandato até 2022, acho que seria benéfico para o País, é uma economia de quase R$10 bilhões: são R$ 2 bilhões do fundo eleitoral e R$ 5 bilhões do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além dos custos adicionais. Agora, não adianta entrar nesse populismo, ou seja, tira o fundo eleitoral e, mesmo assim, faz as eleições. Como é que vai fazer as eleições, no mundo real que a gente vive, dentro do custo da democracia?”, questionou.

Mais socialista que nunca

O pai do deputado Silvio Costa Filho, o ex-deputado Silvio Costa, por meio de nota, elogiou, recentemente, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara, e o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, afirmando que eles “crescem na crise”.

Para Silvio Costa Filho, a declaração de seu pai está correta. Em entrevista á Radio Folha FM 96,7, o deputado colocou que é necessário reconhecer o desempenho que os gestores municipal e estadual vêm tendo em meio à crise na saúde pública.

“O governador Paulo Câmara e o prefeito Geraldo Júlio vêm tendo uma capacidade de liderar nesse momento de crise e, justiça seja feita, as ações que foram tomadas pela Prefeitura do Recife e pelo Governo do Estado estão na direção correta. O Recife tem sido visto por várias capitais do Brasil como, de fato, uma gestão que tem apresentado resultados até porque está sendo controlada a questão do próprio coronavírus. Cidades como Fortaleza, tem número três vezes maior de infectados do que a cidade do Recife. Eu acho que é preciso que nós possamos reconhecer o trabalho do governador e do prefeito Geraldo Júlio”

O ex-deputado Silvio Costa iria realizar uma cerimônia para oficializar sua transferência de título eleitoral para o município de Jaboatão dos Guararapes, mas o ato foi inviabilizado por não ser permitida a aglomeração de pessoas por conta da pandemia do COVID-19. 

Ouça a entrevista completa: 

veja também

comentários

comece o dia bem informado: