Programa bate recorde também em número de pessoas acolhidas em suas modalidades de serviço, com mais de 3,8 mil usuários
Programa bate recorde também em número de pessoas acolhidas em suas modalidades de serviço, com mais de 3,8 mil usuáriosFoto: Valter Andrade/ /SDSCJ

O programa Atitude encerra 2018 batendo recorde em número de atendimentos, chegando a marca de 128.856, 83,3% do total realizado no ano anterior. Atuando desde os cuidados primários, até o resgate do convívio familiar de usuários de drogas no Estado. O destaque segue também para o número de pessoas acolhidas, onde atingiu o número de 3.842, no período de janeiro a outubro desde ano, crescendo 27% em comparação a 2017.

Com foco no suporte às pessoas vulneráveis e ameaçadas pelo tráfico de drogas, o Atitude reduziu em 14% a quantidade de vítimas de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) vinculadas ao serviço quando equiparado ao ano passado. Nos sete anos de atuação, o programa chega a marca de mais 11 mil usuários atendidos, onde mais de 60% deles diminuíram a frequência do uso de drogas após o atendimento nos núcleos intensivos.

Os avanços em 2018 alcançam também a área de planejamento e monitoramento das atividades realizadas, com a aposta na qualificação do acompanhamento de metas e indicadores junto às equipes do programa e ao Comitê Gestor do Pacto Pela Vida, onde o Atitude é braço de prevenção social.

Para o secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ), Cloves Benevides, pasta que coordena o programa, através da executiva de Política sobre Drogas (Sepod), o programa aprendeu a fazer mais com menos e a organizar melhor os serviços para oferecer tanto em quantidade como em qualidade.

“Agora, o Atitude entra em uma fase que também está na contramão da maioria dos programas brasileiros. Ele conhece o perfil e a realidade do usuário que acolhe e passa a avaliar os impactos do serviço na vida desses indivíduos para qualificar ainda mais as práticas e fazer uma prospecção de futuro para ampliação com qualidade e foco na melhoria da vida das pessoas”, destaca.

De acordo com a secretária-executiva da Sepod, Márcia Ribeiro, as análises dos controles das ações trouxeram grandes ganhos neste ano. “Foi feita uma reformulação dos instrumentais utilizados para o acompanhamento dos acolhidos. Começamos com o Atitude nas Ruas e fizemos uma revisão de todos os instrumentos que se utiliza, desde o cadastro do usuário, com a qualificação do processo de trabalho. Agora, estamos com essa revisão iniciando nos núcleos de Apoio”, pontua.

O Atitude funciona nos municípios do Recife, Jaboatão dos Guararapes, Cabo de Santo Agostinho e Caruaru, cidades com altos índices de CVLI do Estado. É formado por um conjunto de serviços: Atitude nas Ruas, que presta atendimento e acolhimento territorial, Centro de Acolhimento e Apoio, serviço de acolhimento diário e 24 horas, Centro de Acolhimento Intensivo, que faz acolhimento institucional, e Aluguel Social, um benefício eventual de moradia.

assuntos

comece o dia bem informado: