O 13º do  Bolsa Família foi anunciado nesta em coletiva de imprensa, na manhã desta sexta-feira (08), no Palácio do Campo das Princesas
O 13º do Bolsa Família foi anunciado nesta em coletiva de imprensa, na manhã desta sexta-feira (08), no Palácio do Campo das PrincesasFoto: Hélia Scheppa/PSB


Uma das promessas da campanha eleitoral do governador Paulo Câmara (PSB), o 13º do Bolsa Família foi anunciada nesta em coletiva de imprensa, na manhã desta sexta-feira (08.03), no Palácio do Campo das Princesas. Além do pagamento adicional para o programa assistencial, o gestor ainda divulgou a regulamentação do Nota Fiscal Solidária.

O 13º do Bolsa Família não só foi uma promessa de Paulo Câmara, como de seu principal concorrente na disputa pelo Governo do Estado nas últimas eleições, o ex-senador Armando Monteiro (PTB), inclusive motivando uma disputa entre os dois sobre a autoria ideia que, no entanto, foi baseada no projeto de Lei (256/2017) do senador Lindemberg Farias (PT-RJ).

Segundo o governador, a medida, aliada à implementação do novo programa, promoverá geração de renda e justiça tributária. “Nós entendemos que isso é uma justiça social, retribui e gera renda às camadas mais vulneráveis da população”, declarou.

Leia também:
Paulo anuncia e Armando equaliza proposta do 13º para Bolsa Família
Projeto distribui salário-educação com base em matrículas
Recife comemora Dia dos Dados Abertos


O governador observou que o programa do 13º Bolsa Família já garante uma renda extra. “Para quem recebe até R$ 150, o valor está garantido. E, ao mesmo tempo, adicionamos a esse programa o Nota Fiscal Solidária, que vai justamente devolver impostos pagos pela camada mais pobre da população, incluída no Bolsa Família”, explicou.

Todas as 1.178.450 famílias atendidas pelo programa em Pernambuco receberão uma parcela extra do benefício, correspondente a um 13º salário, garantido pelo Governo do Estado, no valor equivalente ao da parcela mensal, respeitando o limite máximo de R$ 150. O programa vai atingir 34% da população pernambucana, aproximadamente 3.314.065 pessoas.

Para os beneficiários do Bolsa Família que recebem menos de R$ 150 mensais, o teto do programa poderá ser alcançado através da Nota Fiscal Solidária. Basta que o usuário informe o CPF no momento da compra de qualquer item de alimentação, medicamentos, material de higiene pessoal, material de limpeza e vestuário. Nesse caso, 5% do valor gasto nas compras retornará ao bolso do cidadão. São mais de 14 mil estabelecimentos credenciados a emitir a nota fiscal eletrônica em todo o Estado.

Na prática, uma pessoa que recebe R$ 100 por mês do Bolsa Família já tem assegurado um 13º no mesmo valor. Para receber mais R$ 50 e atingir o valor máximo estipulado pelo programa (R$ 150) essa pessoa vai precisar comprar R$ 1.000, no período de um ano, em estabelecimentos que contem com o sistema de nota fiscal eletrônica. A solicitação da inclusão do CPF na Nota Fiscal Solidária é uma iniciativa de educação tributária e reforça a importância de consumir em estabelecimentos regularizados pelo fisco estadual.

Economia local aquecida - O governo espera injetar cerca de R$ 175 milhões na economia local com o 13º e a Nota Fiscal Solidária, cujo sistema entrará em operação no dia 29 de março em todo o Estado. No primeiro ano, o período de aferição das compras vai até 31 de janeiro de 2020, e o calendário de pagamento aos beneficiados começa em 15 de fevereiro do mesmo ano. Além de Sileno Guedes, participaram do lançamento os secretários Décio Padilha (Fazenda), Alexandre Rebêlo (Planejamento) e Nilton Mota (Casa Civil).

comece o dia bem informado: